sábado, 19 de agosto de 2017

"Putin agora é um símbolo sexual apenas para pensionistas e outras histórias russas negligenciadas

ANÁLISE E OPINIÃO
2017/08/14 - 12:36
A enxurrada de notícias de um país tão grande, diverso e estranho como a Federação Russa, muitas vezes parece ser é demasiado grande para que todos possam acompanhar. Mas é preciso haver uma maneira de marcar aqueles que não podem ser discutidos em detalhe, mas que são também indicativos de desenvolvimentos mais amplos para ignorar.


Consequentemente, o Windows on Eurasia cada semana apresenta uma seleção dessas outras e normalmente negligenciadas histórias no final de cada semana. Esta é a 95ª compilação, e é novamente uma questão dupla com 26 da Rússia e 13 dos vizinhos russos. Mesmo assim, está longe de ser completo, mas talvez uma ou mais dessas histórias sejam de maior interesse.


1. Putin agora um símbolo sexual apenas para Pensionistas, Comentador diz
Igor Eidman diz que Vladimir Putin pode mostrar seu peito quantas vezes quiser, mas com a idade, ele está se tornando um símbolo sexual apenas para pensionistas russos, sua base política

Enquanto isso, blogueiros russos e participantes em redes sociais estão rindo da última expedição do líder do Kremlin, desta vez para pegar um peixe, e alguns agora estão fazendo uma pergunta que teria sido impensável no passado: você realmente se importa com a vida pessoal de Putin? 

Um grupo que tem que continuar a cuidar são políticos e funcionários russos: os membros da Duma receberam um livro sobre a vida de Putin, que lembra ansiosamente a pequena pátria de Brezhnev de 40 anos atrás
Alguns sugerem que se trata de criar "Putinism with a human face" antes das eleições.
Mas a deificação de Putin tem uma desvantagem para ele.
Como um comunista de Buryat colocou, se Putin é responsável por tudo, então ele é culpado de tudo o que deu errado.

Outros membros das elites russas estão se tornando cada vez mais crítico do líder do Kremlin, com negócios culpando-o para as novas sanções e do Partido do Crescimento sugerindo que ele não deve correr para um outro termo.

Mas outros são mais otimistas sobre o que Putin é capaz de.
Alguns estão dizendo abertamente que ele estaria bastante preparado para lançar outro Grande Terror se ele se sentir ameaçado.

2. Putin pediu para agradecer o trunfo pelas sanções
A expressão de gratidão de Donald Trump por expulsar os diplomatas dos EUA e assim economizar o dinheiro de Washington fornece um modelo para Vladimir Putin: ele deveria agradecer aos americanos por sanções porque permitiram que o líder do Kremlin reduzisse tantas coisas no orçamento russo.
Mas esta semana, os russos se concentraram em duas coisas sobre o Trmp, além da crise norte-coreana, é claro.

Eles ficaram encantados de que Trump agora esteja usando aviões originalmente destinados a venda para a Rússia, nervoso de que 90% dos americanos, mas não o presidente dos EUA, dizem que a Rússia é uma ameaça para o Ocidente e se divertiu com o chamado pelo Congresso Maxine Walters o impeachment de Putin, confundindo-o com o vice-presidente norte-americano Mike Pence.

3. Navalny estima suas chances de ser assassinado em 50-50
O líder da oposição russa, Aleksey Navalny, diz que ele estima suas chances de ser assassinado em algum momento nos próximos meses, como cerca de 50-50, uma indicação assustadora de quão generalizados os assassinatos políticos na Rússia se tornaram sob Putin.

4. Putin está ficando sem dinheiro para manter Oligarchs felizes
O sistema de Vladimir Putin é construído sobre a corrupção, mas há menos e menos dinheiro para se espalhar; e alguns analistas estão sugerindo que, mesmo se ele parece forte, ele está perdendo o controle sobre setores-chave, onde ele não pode mais comprar o apoio das pessoas.

Uma indicação disso é que várias partes do que tinham sido os nomenklatura fiéis não estão apenas lutando entre si, mas cada vez mais crítico das decisões de pessoal do Kremlin.

5. Quase um terço dos russos dizem que não há necessidade de uma Duma
Uma medida da desinstitucionalização da vida política da Rússia sob Putin é que 30 por cento dos russos dizem agora que não há nenhuma razão para ter uma Duma.

6. Dois terços dos russos pensam que a crise será pior no próximo ano - e os Números apoiá-los
Apesar do hype do Kremlin sobre um pequeno aumento da atividade econômica no último trimestre, dois em cada três russos pensam que a crise não apenas continua, mas vai piorar no próximo ano.
Entre os desenvolvimentos que justificam tais conclusões:
  • A Moody's diz que a fuga de capitais continuará acelerando,
  • Não há mercado para habitação, mesmo depois de cortes de preços significativos por vendedores,
  • Mais da metade dos pensionistas da Rússia não tem dinheiro suficiente para comer ou comprar roupas.
  • A corrupção continua em níveis extremamente elevados e custou à Rússia mais de dois bilhões de dólares nos últimos dois anos corrupção custou à Rússia 130 bilhões de rublos (2 bilhões de dólares americanos) nos últimos dois anos.
  • Os russos agora dizem que seu país é um paraíso apenas para os milionários, mas um horror para todos os outros.
  • Cada quarto russo está trabalhando ou tentando encontrar um segundo emprego para chegar ao fim.
  • E até mesmo as empresas russas mais ricas estão sangrando recursos a taxas sem precedentes.
7. Os russos têm poucas opções de férias neste ano

Esta é a temporada de férias, mas os russos têm menos opções de férias do que nunca. Muitos não podem ir ou são obrigados a trabalhar com eles, outros acham mais barato ir para a Turquia do que para a Criméia, mas estão ficando doentes no primeiro. e muitos estão enfrentando desastres ecológicos no Cáucaso se eles optarem por ir lá, tantos agora são obrigados a fazer. 
Mas onde quer que vá, eles estão reduzindo as lembranças e outras compras.

Alguns dos outros problemas sociais estão recebendo atenção esta semana:
  • O sistema educacional da Rússia está entrando em colapso com o país visto como sendo "uma nação de tolos mal educados",
  • A qualidade e seleção de alimentos nos mercados russos estão em declínio.
  • A vida da cidade está se tornando tão desagradável que alguns russos agora estão contemplando fugir para o campo.
  • E os funcionários, enfrentados a estradas que não atendem aos padrões, agora estão prometendo apenas consertar uma pequena percentagem deles por causa da escassez de orçamento.
8. 50 por cento dos casais russos agora dizem que não querem filhos ou apenas um
A Rússia está agora a ser afetada pela mesma tendência demográfica que atinge outras sociedades modernas. Cada vez menos casais querem crianças ou mais de um, garantindo que a população russa continuará a diminuir por tanto tempo no futuro como se pode ver .

As políticas pró-natalistas estão fazendo pouco para mudar isso, apesar do grande sucesso do Kremlin, e os especialistas argumentam que a única coisa que poderia mudar essa tendência é abordar a pobreza subjacente de forma séria, algo que o regime não tem dinheiro e estômago para fazer.

Enquanto isso, muitos russos sofrem com o programa de otimização da saúde de Putin: as vítimas de HIV nos Urais não podem obter os remédios que precisam para sobreviver e o sistema médico nas áreas rurais continua no caminho do colapso completo, o que significa que as taxas de mortalidade só haverá aumento.

9. Udmurt Head diz que os funcionários devem saber ... 
Na sequência do impulso de Putin para o russo e contra a instrução de línguas não-russas, os líderes regionais estão apostando uma variedade de posições. 
O chefe da república de Udmurt diz que as autoridades precisam aprender inglês, o chefe de Bashkortostan diz que Bashkir deve se tornar um assunto eletivo em vez de um assunto obrigatório, e o Tatarstan anunciou que mesmo os alunos das escolas de língua russa serão testados quanto ao conhecimento de Tatar.

Outras notícias da frente de nacionalidades:
  • Alguns ativistas argumentam que os povos indígenas devem ser pagos pelo Estado por recursos naturais retirados de suas terras,
  • Os povos de Altay estão protestando contra o desenvolvimento da mineração de ouro em sua república,
  • Funcionários da cidade de Moscovo estão se recusando a permitir que crianças de alguns imigrantes frequentem a escola,
  • A nação Selkup está agora até seis alto-falantes reais,
  • Moscovo cortou o financiamento para Daghestani auls e para as celebrações russas Frost Frost,
  • E o crime de rua agora é mais baixo no Cáucaso do Norte do que em qualquer outra parte da Rússia.
10. Moscovo agora tentando ter declarado bíblico Extremista
Embora a lei russa diga que os livros sagrados das religiões tradicionais da Rússia não podem ser encontradas extremistas, os procuradores russos procuram ter uma tradução bíblica preparada pelas Testemunhas de Jeová proibidas nessa base. 
O seu raciocínio? 
A Bíblia das Testemunhas de Jeová não se chama a Bíblia na capa e, portanto, não é protegida pela lei russa.

Mais notícias do setor religioso esta semana incluíram:
  • A prisão de um sacerdote ortodoxo por envolvimento com a prostituição,
  • Uma proposta do Patriarcado de Moscovo para canonizar Anatoly Sobchak, embora seu ex-deputado, Vladimir Putin, não tenha vindo à construção de seu memorial,
  • Um relatório da Yandex de que a busca mais comum entre os russos em metrôs nas manhãs é para orações,
  • E a conclusão de uma igreja armênia em Vladimir que estava em construção há uma década.
11. Mathilda Sparks 'Soft Parade of Sovereignties' na Rússia
O conflito sobre o filme que já será lançado no último tsar provocou o que um comentarista chama de "um suave desfile de soberania" com vários líderes regionais e republicanos que desempenham posições muitas vezes em desacordo com a aprovação oficial de Moscovo.

Os oponentes do filme estão mesmo sugerindo que o filme irá prejudicar o poder do Kremlin no Cáucaso do Norte.

12. Will Burger King Get Naminging Naming Rights em Tyumen?
Porque há um restaurante Burger King em cada extremidade de uma ponte em Tyumen, a corporação está buscando ter a ponte renomeada após ela mesma.

Outros confrontos nas guerras dos monumentos foram menos divertidos:
  • Em Novosibirsk, os stalinistas foram ao tribunal para tentar tirar a estátua de Nicholas II.
  • Em outra cidade, alguém cortou a cabeça de uma estátua de Lenin.
  • Nos Urales, os ativistas estão pressionando os planos para criar um memorial para o Exército Imperial da Rússia.
  • Enquanto isso, em Moscovo, a construção está começando em uma parede em memória das vítimas do GULAG de Stalin.
13. As confissões obtêm condenações, mas alguns começam a falar sobre ser batido para dar-lhes
Como nos tempos de Stalin, as confissões ou denúncias são agora consideradas como padrão-ouro em obter convicções, algo que os tribunais russos agora administram em 99,64 por cento de todos os casos.
Mas alguns que foram torturados para fornecer confissões agora estão falando sobre isso no tribunal.
A maioria dos condenados, no entanto, tem poucas escolhas se forem espancados. 
Em uma prisão de Bryansk, os presos dizem que podem fazer uma greve de fome ou se suicidar em resposta.

O governo russo está se tornando mais repressivo, embora às vezes de maneiras absurdas:

  • Os pioneiros reunidos em Chuvashia foram detidos por supostamente participar de reuniões não sancionadas,
  • Moscovo quer beneficiar pessoas que distribuem jornais e revistas estrangeiros,
  • Aqueles que convocam o referendo, um direito constitucional, estão sendo condenados e enviados para os campos,
  • Em nome da proteção da moral pública, um diretor da escola proibiu as calças para estudantes do sexo feminino,
  • E um tribunal ordenou a edição do filme anti-corrupção da Navalny.
Mas houve pelo menos dois desenvolvimentos positivos nesta área:
  • Um tribunal de Krasnodar puniu a polícia por não ter defendido um escritório de Navalny contra o ataque de lealistas de Putin,
  • E uma corte russa pela primeira vez iniciou um caso contra um negador do holocausto.
14. Pressione para direito de portar armas correndo em resistência
Uma medida da força dos esforços para permitir que os russos transportem armas de fogo, incluindo pistolas, é que a Igreja Ortodoxa Russa já pesou contra a idéia.
Ela diz que tal lei virtualmente daria aos russos o direito de assassinar uns aos outros.

Outras medidas nesta área de segurança doméstica incluíram esta semana:
  • Um aumento nas queixas de que Moscovo está desperdiçando dinheiro no exterior, inclusive na ponte da Criméia, em vez de ajudar os russos em casa.
  • Um argumento de que os combatentes russos nos Donbas são agora melhores do que os radicais ISIS,
  • E a disseminação de grupos de jovens militarizados como o Exército da Juventude.
Autoridades russas também se moveram para levar telefones celulares longe de recrutas para que eles não podem informar sobre abuso contra eles.

15. A Rússia leva mais de duas vezes o tempo para construir um navio de guerra como os EUA fazem
O acúmulo naval muito complicado de Vladimir Putin não acontecerá tão rápido como ele e outros sugerem, de acordo com especialistas de Moscovo que apontam que os estaleiros russos recebem em média mais de duas vezes mais anos - mais de seis do que os estaleiros americanos para construir um Navio. 
Um dos principais motivos é a corrupção maciça.

Três outras iniciativas de segurança estrangeira nesta semana merecem destaque:
  • Moscovo bloqueou e desbloqueou o estreito de Kerch, demonstrando que pode fazer isso à vontade,
  • As forças pró-Moscovo no Donbas vêem o retorno dos refugiados como fonte de novos combatentes para eles,
  • E Moscovo aumentou as reuniões de instituições do Estado união com a Bielorrússia.
16. A equipe russa não está pronta para a Copa do Mundo, mas Aeroflot está muito
A FIFA lançou o último ranking de equipes de futebol. Os restos russos ficaram abatidos na lista em 62, provocando discussões de que não estará pronto para a Copa do Mundo do próximo ano, mas a companhia aérea nacional russa Aeroflot é: já aumentou as tarifas para as cidades da Copa do Mundo.

No entanto, os problemas permanecem em muitos locais russos, incluindo um incêndio importante em um em Taganrog.

Outras notícias esportivas que afetam a hospedagem russa da competição:
  • Moscovo expande a lista de drogas proibidas para tentar chegar ao lado bom da FIFA,
  • Um novo filme no Ocidente destaca como as pessoas de Putin roubaram os Jogos do Sochi
  • Um medalhista olímpico russo se torna um cidadão americano,
  • E os propagandistas de Moscovo dizem que os atletas americanos são os piores abusadores de drogas de todos.
17. Putin não fez nada para a Sibéria, as pessoas lá dizem
Os siberianos dizem que Vladimir Putin apesar de toda a sua conversa não fez nada por eles. 
Em vez disso, ele fez promessas de tornar Vladivostok um porto aberto, mas não o fez e vendeu seu patrimônio para a China.

18. Stalin mais popular do que Lenin porque substituiu o comunismo pelo imperialismo
Um analista sugere que a chave para a popularidade do ressurgimento de Stalin na Rússia é que o ditador soviético substituiu a ideologia comunista de Lenin por ideias nuas imperialistas.

19. Os russos disseram ainda mais fáceis de enganar do que os americanos são
Um comentarista sugeriu que os russos são muito mais fáceis de enganar do que os americanos são, uma das razões pelas quais muitas vezes eles são levados na direção errada por seus líderes.

20. Chinese Near Russian Border Agora cantando músicas russas em chinês
Há poucas coisas que assustam os russos mais do que a possibilidade de os chineses se mudarem para a Sibéria e o Extremo Oriente russo. Esta semana, um relatório pareceu certo para assustar ainda mais: os chineses que vivem perto da fronteira russa agora estão cantando músicas russas, mas só depois de mudar as letras para o chinês.

21. Eekaterinburg tem medo de perder o consulado geral dos EUA
Muitas pessoas em Ekaterimburgo e na região dos Urais temem que eles vão perder o consulado geral dos EUA lá. 
Não só isso vai tornar mais difícil e caro para obter um visto para os EUA, mas este incidente diplomático vai privá-los de um símbolo importante da sua importância relativa para Moscovo.

22. Lavrov invoca a proteção do "código genético" russo como motivo da intervenção de Moscovo na Ucrânia
O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, diz que Moscovo não teve escolha senão ajudar os russos étnicos na Ucrânia porque tinha que defender "o código genético" da nação russa, uma linguagem conectada com o mais distante da extrema direita entre os nacionalistas russos.

23. "Rússia muito atrasada para ser de interesse para a China"
Alguns no Extremo Oriente da Rússia estão agora dizendo que seu país está "muito atrasado" para ser de grande interesse para a China, exceto como um fornecedor de matérias-primas.

24. Novo filme de comédia musical sobre 'The Death of Stalin' lançado na Grã-Bretanha
No que deve ser o filme político mais escandaloso desde que The Producers incluiu uma peça intitulada "Springtime for Hitler", um diretor britânico produziu uma comédia musical chamada The Death of Stalin.

25. EUA disse para não se arrepender de ter dividido a Rússia Enquanto Yeltsin era Presidente
Os comentaristas russos reagiram à liberação de novos documentos do governo dos EUA sobre a política americana em relação à Federação Russa argumentam que eles mostram que os EUA atualmente lamentam que não dividisse a Federação Russa quando Boris Yeltsin era presidente e o país era muito mais fraco do que hoje.

E 13 mais de países do bairro da Rússia:

1. Alguns ucranianos querem declarar Stalin como herói nacional
Como Stalin adicionou muito território ao seu país, alguns ucranianos querem declarar ele um herói nacional, mas a maioria vê-lo como o assassino de sua nação, como documentado em 110 livros que simplesmente enumeram todos os nomes dos ucranianos que Stalin matou.

2. O comentarista de Moscovo pede que a Rússia reconheça Donbas se os EUA fornecem armas à Ucrânia
Um escritor russo sugeriu que qualquer movimento dos EUA para fornecer a Kyiv armas ofensivas deveria ser atendido pelo reconhecimento de Moscovo da independência do Donbas.

3. O sacerdote ortodoxo russo quer a praia nudista estabelecida na Criméia ocupada
Em outro e um pouco incomum uso russo da Crimeia ocupada, um sacerdote ortodoxo russo pediu o estabelecimento de uma praia nudista na península ucraniana. Na própria Rússia, os nudistas tiveram um tempo muito mais difícil, organizando de forma autônoma, mas não conseguiram obter reconhecimento ou suporte oficial.

4. Lukashenka ficou sem dinheiro para pagar o KGB?
Minsk está cortando o orçamento da polícia de segurança do país, que ainda é conhecida como a KGB e fechando seus escritórios em muitas regiões. Por um lado, isso pode simplesmente refletir as restrições orçamentárias; Mas, por outro lado, tornará mais difícil para Alyaksandr Lukashenka controlar o país ou se opor a movimentos russos contra ele.

5. Oito a dez por cento dos bielorrusos que agora procuram trabalho no exterior
Cerca de um em cada dez bielorrusso está trabalhando no exterior ou quer fazê-lo, de acordo com uma nova pesquisa do Minsk Institute of Sociology.

6. O jornalista não podemos encontrar nenhuma bielorrusso que é a favor da restauração da URSS
Um jornalista bielorrusso olhou, mas não conseguiu encontrar alguém em seu país que queira ver o retorno da União Soviética. 
Marca o 500º aniversário da publicação do primeiro livro em bielorrusso, mais uma indicação de que a língua bielorrussa é muito mais antiga do que Moscovo está disposta a admitir.

7. Imprensa dos armênios para mudar os nomes da era soviética das ruas e escolas
Um número cada vez maior de armênios, irritados com a Rússia pelo que dizem ser uma abordagem pesada para Erevan, querem abandonar nomes soviéticos para as ruas e as escolas e substituí-los pelos armênios nacionais.

8. Lobby armênio ainda mais poderoso do que o Azerbaijano
O lobby armênio nos países ocidentais ainda é muito mais poderoso que o Azerbaijano apesar de ter menos dinheiro para gastar. 
De acordo com alguns observadores, seu poder é superado apenas pelo lobby judeu.

9. Bustos de Stalin aparecem na Abkházia e em um parque de Putin em breve
Pequenos bustos de Stalin estão agora à venda nas lojas da Abkhazia, e fala-se que o Parque Lenin local será renomeado para Vladimir Putin.

10. A Marinha chinesa faz a primeira visita da frota à Letônia
Em um movimento destacando seu novo alcance global e um seguro para desestabilizar muitos em Moscou, a marinha chinesa realizou sua primeira visita de frota à capital letã de Riga.

11. Idade Média no Uzbequistão Agora 28, Acima de 23 em 1991
O crescimento demográfico lento no país mais populoso da Ásia Central aumentou a idade média lá de 23 em 1991 para 28 agora, um aumento que reduz as pressões da população sobre o governo e a sociedade e torna a estabilidade mais provável.

12. Crescimento Explosivo no Islão, Radicalismo no Quirguistão
Houve uma verdadeira explosão no número de mesquitas no Quirguistão, especialmente nas partes do sul do país, e observadores sugerem que Bishkek agora é impotente para impedir a expansão de grupos islâmicos radicais como os Wahhabis.

13. O Cazaquistão atrai a atenção para tirar o anúncio da companhia aérea com hospedeiras nuas
Um dos problemas que muitos países da Eurásia enfrenta é que eles atraem muito mais atenção para as histórias com uma característica visual do que para movimentos mais substantivos. 
Na semana passada, o Cazaquistão era um deles: atraiu a atenção internacional para a supressão de um anúncio para sua companhia aérea nacional mostrando obviamente hospedeiras nuas, mas recebeu pouco aviso para um movimento muito mais importante : Adotou um dos padrões anti-doping mais difíceis no espaço pós-soviético.

A era de Putin está chegando ao fim e ele e outros russos reconhecem isso, diz sociólogo de Moscovo

ANÁLISE E OPINIÃO, RÚSSIA
2017/08/19 - 11:22





















Vladimir Putin em uma reunião em São Petersburgo, Rússia em 2013 (Imagem: Alexander Petrosyan)

Em 1 de março de 1953, a Radio Liberty começou a transmitir à União Soviética em russo. “A era Stalin está chegando ao fim” seus funcionários russos queriam a sua assinatura sonora para ser um relógio com uma narração declarando gerentes americanos objetou, citando o fato de que as pessoas do Cáucaso - e Stalin era um georgiano - muitas vezes viveu até uma grande idade.

Quatro dias mais tarde, foi confirmado que Stalin estava morto. Agora, muitos estão em um outro tipo de “relógio da morte”, querendo saber quando a era de Vladimir Putin vai chegar a um fim. A maioria dos analistas prevê que ele continuará no cargo enquanto ele quiser e, portanto, no mínimo, é prematuro falar do fim aproximado da "era" de Putin.
   Sergey Belanovsky
Mas o sociólogo de Moscou Sergey Belanovsky não concorda e argumentou na página do Facebook na semana passada que "a era de Putin está chegando ao fim" e que "este é um fato incontestável que não depende de quanto tempo ele ocupa a posição de Presidente.


Além dessa assertiva afirmação, o estudioso fez 16 afirmações adicionais que merecem atenção:

  • "Para criticar Putin pelo que ele é culpado ou pelo que ele já não faz mais sentido".
  • "Não há sentido em problemas de discussão de ontem ou mesmo hoje. É preciso olhar para o futuro.
  • "A luta pelo lugar do sucessor já começou".
  • "A legitimidade de Putin cairá independentemente do percentual que ele ganha nas eleições".
  • "Mesmo que Putin mantenha seu cargo até 2024, ele mais será transformado em um pato coxo. Seu poder enfraquecerá ".
  • "O sucessor de quem quer que seja não terá a legitimidade de Putin".
  • "Putin será perdoado pelo que ele é culpado e pelo que ele não é".
  • Quanto ao sucessor, "não haverá nada para perdoar".
  • Os problemas do país "exigirão decisões impopulares".
  • "A redução da legitimidade do líder irá enfraquecer o poder do Estado".
  • "O enfraquecimento do poder intensificará os conflitos a todos os níveis" e exigirá "a supressão, mas não a destruição ideológica" dos conflitos de nacionalidade.
  • "A supressão por força de TODOS os conflitos é impossível".
  • "O país começará a desmoronar, possivelmente assumindo a forma de" um desfile de soberania "e também reuniões em quadrados em frente a edifícios de administração e bloqueio de estradas".

"O controle sobre a mídia entrará em colapso porque a clareza sobre qual linha política está correta será perdida".
"As forças externas, tendo sentido o enfraquecimento das ligações internas do Estado russo, se tornarão mais ativas. Muitos verão a Rússia como um inimigo ou como um troféu a ganhar ".
Os métodos Putinistas de se opor a tudo isso "enfraquecerão". O seu tempo passou. O novo governante terá que aplicar força e diplomacia em algumas combinações únicas e sob condições de um vácuo institucional. "Isso exigirá um gênio político, nenhum dos quais parece estar no horizonte.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Nos bastidores, EUA e Coreia do Norte têm conversações regulares

MUNDO
Diplomacia

11 DE AGOSTO DE 2017 17:30























Governos de Washington e de Pyongyang têm discutido discretamente o estado das relações diplomáticas entre os dois países

No meio da contínua escalada de tensão entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte, com o líderes dos dois países a trocarem ameaças publicamente, foi revelado esta sexta-feira que, nos bastidores, as duas nações mantêm uma linha de comunicação e negociações há meses.

Segundo a agência AP, os governos de Washington e de Pyongyang têm discutido a situação dos norte-americanos detidos na Coreia do Norte e o estado das relações diplomáticas entre os dois países.

O enviado norte-americano para a Coreia do Norte Joseph Yun tem contactado frequentemente Pak Song Il, o diplomata norte-coreano que representa o país nas Nações Unidas, naquele que é chamado o "canal de Nova Iorque". 
Yun, nascido na Coreia do Sul, é o único diplomata dos Estados Unidos em contacto com o lado norte-coreano, segundo fontes citadas pela AP.

As mesmas fontes dizem que estes contactos não tiveram ainda qualquer efeito no sentido de amenizar a busca da Coreia do Norte por armas nucleares, mísseis e avanços no armamento - que é vista como uma ameaça pelos Estados Unidos. 
Ainda assim, estas conversas nos bastidores podiam ser uma base para negociações sobre temas mais sérios, caso os líderes Donald Trump e Kim Jong-Un abandonassem a retórica bélica e as ameaças e aceitassem dialogar.

Trump disse esta terça-feira que a Coreia de Norte iria enfrentar "fogo e fúria como o mundo nunca antes viu" e acrescentou dias depois que esta nação deve ficar "muito, muito nervosa". 
A Coreia do Norte afirmou que Donald Trump é "desprovido de razão", que só funciona com a força e ameaçou atacar a base militar dos Estados Unidos em Guam, no Pacífico.

Era sabido que os EUA e a Coreia do Norte tiveram conversações em que foi acordada a libertação do jovem estudante norte-americano preso pelo regime de Pyongyang, Otto Warmbier, mas apenas agora foi revelado que o diálogo se manteve aberto até ao presente.

Warmbier, de 22 anos, foi libertado em junho, após 17 meses de detenção, e morreu uma semana depois.

O secretário de Estado norte-americano Rex Tillerson disse esta semana, nas Filipinas, que existem "meios de comunicação abertos" entre os países, "para os ouvirmos se eles tiverem vontade de falar".

Já existiam versões do canal de Nova Iorque em administrações anteriores. 
Obama mantinha contactos com a Coreia do Norte, mas estes foram cortados nos últimos sete meses da presidência do democrata. 
Nessa altura, Kim Jong-Un cortou a linha de comunicação como resposta a sanções norte-americanas.

A Coreia do Norte e os Estados Unidos não têm laços diplomáticos e são, tecnicamente, inimigos, já que nunca conseguiram um tratado de paz, apenas um armistício, para acabar com a guerra da Coreia, entre 1950 e 1953.

Esta sexta-feira, várias nações se manifestaram quanto à tensão entre os dois países com arsenal nuclear. 
A China avisou que vai ser neutra se a Coreia do Norte lançar primeiro um ataque contra os Estados Unidos, mas irá reagir firmemente no caso de os EUA e a Coreia do Sul "realizarem ataques e tentarem derrubar o regime norte-coreano". 
A Alemanha opôs-se hoje a uma qualquer "solução militar" e a Rússia considerou "muito elevado" o risco de um confronto militar entre os EUA e a Coreia do Norte.

Elas fugiram da Coreia do Norte. Histórias de quem não pode, nem quer, regressar

Cátia Bruno 10 Agosto 2017170










Lee fugiu para ver como era a vida na China e nunca mais voltou. Park conseguiu sair duas vezes do país de Kim Jong-un onde esteve num campo de trabalhos forçados. Falámos com elas.

Jihyun Park saiu da Coreia do Norte há 18 anos, mas as quase duas décadas de distância não lhe apagaram um último arrependimento. “Não me despedi do meu pai, porque pensava que ia poder regressar. A minha última memória dele é vê-lo sentado na sala, sozinho.” Park tinha 30 anos e tomou a decisão de abandonar o único país que conhecia por pressão do próprio pai, um motorista estatal. O objetivo era o de fugir com o irmão mais novo, que tinha desertado do Exército. Park e a família não tinham completa noção do que lhes poderia acontecer, mas não quiseram arriscar. Foi assim que os dois irmãos partiram para o desconhecido.

Foi o início da viagem de uma vida, que levaria Park à China e por fim ao Reino Unido, país com uma das maiores comunidades de norte-coreanos na Europa (cerca de 600). Agora, com 49 anos, a norte-coreana conta ao Observador a história da sua vida fora da Coreia do Norte num tom calmo e distante. Na fronteira nordeste do país, um traficante separou-a do irmão, que nunca mais viu, e vendeu-a por cinco mil yuan (cerca de 600 euros) a um marido chinês. Seguiram-se anos a ser controlada pela família do marido: “Na minha aldeia havia outras quatro mulheres norte-coreanas, mas nunca pude conhecê-las”, recorda Jihyun. “Costumava cruzar-me com uma delas na rua, mas não falávamos. Tínhamos medo. Só trocávamos olhares.”

Ao fim de seis anos engravidou, mas, ao contrário do que o marido queria, não abortou. Durante meses escondeu a gravidez e acabou por fazer o parto sozinha. Depois, temendo que a família do marido lhe tirasse o bebé, ganhou coragem e fugiu com ele para a cidade mais próxima, onde acabou a sustentar-se vendendo vegetais no mercado. A odisseia na China terminaria de forma negra: denunciada por outros vendedores, acabou por ser deportada de volta para a Coreia do Norte. Miraculosamente, passou apenas dois meses num campo de trabalhos forçados. Uma lesão grave numa das pernas foi o preço alto a pagar pela liberdade: “O diretor do campo disse-me ‘não podes morrer aqui’, e libertou-me. Estávamos em 2004, um ano em que morreu muita gente nos campos norte-coreanos e as autoridades não queriam arriscar ter mais pessoas a morrer a seu cargo”, alvitra Jihyun.

Jihyun Park, 49 anos, vive atualmente em Bury, perto de Manchester 
Fugiu novamente para a China com o objetivo de recuperar o filho. Foi mais fácil do que Park pensava, uma vez que a família do pai estava pouco ou nada interessada em ficar com a criança. E em 2008 consegue finalmente, com a ajuda das Nações Unidas no terreno, obter asilo na embaixada do Reino Unido na China. Foi assim que finalmente encontrou descanso em Bury, uma vila perto de Manchester. “Sou uma testemunha viva do que se passa na Coreia do Norte e na China. Os media focam-se muito nas questões nucleares e pouco nas questões humanas. Nós, norte-coreanos, somos humanos. Não vivemos noutro planeta”, diz Park em inglês, mas com um sotaque ainda carregado. A sua história é tão impressionante que parece ficção, mas as marcas que a coreana traz no corpo são bem reais. São fruto da tortura que sofreu no campo nos arredores de Chongjin e chegaram para convencer as autoridades britânicas de que tinham perante si uma verdadeira refugiada.

A história de Park é, apesar de tudo, comum. É mulher, como a grande maioria dos desertores da República Popular Democrática da Coreia do Norte — 70% de todos os norte-coreanos que vivem atualmente na Coreia do Sul são mulheres, por exemplo. É o resultado de um sistema onde os homens são forçados a ter um trabalho fixo e controlado pelo Estado, enquanto as mulheres se limitam a trabalhos informais como a venda no mercado. Na Coreia do Norte, fugir é mais fácil para elas do que para eles. “Basta ver que no Exército cerca de 80% dos membros são homens”, ilustra Park.

O timing em que esta norte-coreana fugiu também coincide com o do grande êxodo de população do país, em finais da década de 90 e inícios dos anos 2000. Até 1998, menos de mil norte-coreanos tinham dado o salto para o país vizinho da Coreia do Sul. “Era um número minúsculo, se considerarmos que, enquanto o muro de Berlim esteve de pé, 21 mil alemães orientais fugiram, em média, para o Ocidente, todos os anos”, escreve a jornalista norte-americana Barbara Demick no seu livro “A Longa Noite de um Povo – A Vida na Coreia do Norte” (ed. Temas e Debates).

A grande fome que assolou o país no final da década de 90 inverteria por completo a situação, com o número de desertores a subir, motivados não por questões políticas, mas por sérias dificuldades económicas. Com o aumento do fluxo de saídas, surgiram as redes organizadas de traficantes que elevaram ainda mais os números. Segundo dados de um relatório do congresso americanoentre os anos 2007 e 2011 a média de norte-coreanos que chegaram por ano à Coreia do Sul foi de 2678. Nos anos seguintes, desceria 45%, muito em parte pelo reforço da vigilância na fronteira nordeste da Coreia do Norte, local por onde a grande maioria dos refugiados foge, seguindo depois para a China e daí para a Coreia do Sul.

Movidos pela fome, pelo medo… e pela curiosidade

A Coreia do Sul soa para muitos como terra prometida. Afinal de contas, o governo sul-coreano considera como seus cidadãos todos os que nasceram na península e dá ainda três meses de formação e uma bolsa aos norte-coreanos que alcancem o país. Aos que têm a sorte de conseguir lá chegar.

Os números são difíceis de verificar, mas várias ONG estimam que pelo menos 100 mil norte-coreanos vivem atualmente na China, na sua maioria mulheres sujeitas a tráfico sexual ou casadas à força. Os problemas demográficos chineses, alimentados pela política restritiva do “filho único”, levaram a uma disparidade homens/mulheres que chega a rácios de 14 para 1 em algumas zonas rurais da China. Assim sendo, muitos homens disponibilizam-se para pagar por uma noiva e os traficantes usam a situação a seu favor, trazendo mulheres da Coreia do Norte e vendendo-as a estes homens.

Não há números oficiais, o que torna difícil avaliar a evolução da situação, mas a opinião de quem está no terreno é de que a situação já foi pior. “Pelo que vejo, há menos refugiados a ir para a China e a ficar lá”, garante ao Observador Dan Chung, responsável da organização cristã Crossing Borders, que ajuda norte-coreanos na China. “Isto acontece por três razões: em primeiro lugar, a chamada rede subterrânea cresceu e melhorou; em segundo, a Coreia do Norte fortaleceu a segurança na fronteira e, por fim, a situação alimentar melhorou. Não há mais comida, mas a distribuição está melhor”, explica Chung.

“Uma pessoa que foge da Coreia do Norte pode ser executada… Por isso a maior motivação para sair do país é só se alguém sentir que tem a sua vida em risco, seja por morrer de fome, seja por estar a ser perseguido.” A vida na China não é cheia de glamour para a maior parte destas mulheres; e, no entanto, muitas preferem-na e não concebem a ideia de regressarem ao seu país. “Elas preferem ser pobres na China do que na Coreia do Norte. A situação é má a esse ponto”, ilustra Chang.

Hyeonseo Lee concorda. “Só os loucos querem regressar”, diz a desertora tornada autora, em entrevista ao Observador, a partir de Seul. Em 2015, o seu livro de memórias “A Mulher com Sete Nomes” (ed. Planeta) foi publicado, tornando-se rapidamente um bestseller. A sua participação nas TED Talks foi vista por mais de 13 milhões de pessoas.

No livro, Lee conta como conseguiu fugir do homem a que foi vendida na China, bem como do bordel aonde foi parar e até de um gangue organizado. “Alguns leitores americanos contactavam-me e diziam ‘és como um gato, tens sete vidas’! Nós não temos essa expressão na língua coreana, não a conhecia… Tive de a googlar. E sim, sinto-me muito sortuda quando comparada com outros desertores norte-coreanos”, confessa. À semelhança de Jihyun Park, Lee também sente que tem de contar a sua história: “Talvez Deus me tenha dado uma missão, a de falar em nome dos desertores”.


Há 30 anos, enquanto crescia na Coreia do Norte, estava longe de adivinhar essa missão. Filha de um militar, pertencente a uma família de classe alta, Hyeonseo Lee nunca sentiu de perto a fome, mas esteve em contacto com muitas das outras realidades descritas pelos desertores norte-coreanos. “Até ter visto pessoas mortas nas ruas, no final dos anos 90, pensava que o meu país era o melhor do mundo. Já tinha visto execuções em público, tinha sabido de famílias inteiras que desapareciam, mas achava que era normal.”

Mas, mesmo dentro da normalidade, a adolescente Lee fervia de curiosidade. Em casa, via canais de televisão chineses clandestinos, às escondidas, fascinada: “A moda deles era muito melhor. Os cabelos pintados, as calças de ganga, os brincos…”. Na rua, Heyonseo observava ao longe as luzes e néons brilhantes da cidade chinesa de Changbai, visível da fronteira com a sua cidade Hyesan. Aos 17 anos, e com a ajuda de alguns guardas da fronteira — que conhecia devido aos bons relacionamentos da sua família —, Lee atravessou o rio Yalu no pico do inverno, quando este estava gelado. O objetivo era o de chegar a Changbai. “Só queria ver a China com os meus próprios olhos e não pela televisão”, confessa. Lee não imaginava que nunca mais regressaria ao seu país.

A vida do lado de lá da fronteira

As sete vidas de Lee na China e o seu conhecimento da língua fizeram com que, uma vez apanhada pelas autoridades, fosse tomada por chinesa e evitasse a deportação. Já Park, como tantos outros, não teve a mesma sorte. Ao todo, a República Popular da China deporta cerca de cinco mil norte-coreanos por ano, de acordo com estimativas do ministério da Unificação sul-coreano.

Hyeonseo Lee, agora com 39 anos, vive em Seul

Muito embora seja signatária do Convenção de Refugiados de 1951 das Nações Unidas, a China considera os desertores norte-coreanos como puros migrantes económicos e dá primazia ao Protocolo de Cooperação Mútua para as zonas de fronteira assinado com a Coreia do Norte em 1986. Tal não tem impedido o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) de avisar o governo chinês sobre o incumprimento dos tratados, como o fez António Guterres quando visitou o país em 2006.

“Independentemente do seu estatuto legal ou das suas intenções quando abandonam o seu país, os norte-coreanos podem ser considerados refugiados”, declarava nesse mesmo ano o International Crisis Group, num relatório onde citava o ACNUR. “Uma pessoa torna-se refugiado sur place devido às circunstâncias que ocorrem no seu país durante a sua ausência (…) ou ao resultado das suas próprias ações”, diz o organismo das Nações Unidas. Ainda esta terça-feira, a organização humanitária Human Rights Watch apelava ao executivo chinês para que não deportasse 15 norte-coreanos que estão detidos no país.

Na fronteira chinesa com a Coreia do Norte é possível ler avisos que dizem ser “proibido ajudar financeiramente, albergar ou auxiliar o estabelecimento de pessoas do país vizinho que tenham atravessado ilegalmente a fronteira” e várias ONGs dão conta das recompensas monetárias pagas aos denunciantes. É uma estratégia usada pela China, que teme ver um fluxo ainda maior de norte-coreanos a chegar ao seu país. “É exatamente como nos EUA”, explica Chung da Crossing Borders. “Há o discurso dos imigrantes que vêm tirar os trabalhos. E como a China se concentra muito no crescimento económico, tem receio de receber uma grande população de estrangeiros.”

Os norte-coreanos não se sentem bem-vindos na China e temem as deportações, razão pela qual a maior parte dos desertores opta por partir para a Coreia do Sul. Mas o El Dorado do Sul revela-se uma desilusão para muitos. “Eu pensava que éramos irmãos, mas estava errada. Eles sentem que somos um fardo, que têm de pagar mais impostos por nossa causa. E como temos ditadores loucos, eles assumem que somos todos loucos também”, desabafa Hyeonseo Lee. “Temos muita dificuldade em ajustarmo-nos, há muito preconceito. É por isso que há tanta gente a sofrer com problemas mentais.”

As estatísticas dão conta das grandes dificuldades que os norte-coreanos encontram na Coreia do Sul. A taxa de desemprego dos desertores é seis a sete vezes maior do que a média nacional e, segundo dados do ministério da Unificação, seis em cada dez consideram-se de classe baixa. Mais grave ainda, a taxa de suicídio entre desertores é muito mais elevada do que a média nacional: em 2015, chegou aos 14 %. Ao todo, um estudo de 2005 estima que um em cada três desertores revela sintomas de Stress Pós-Traumático.

Se isto os faz regressar de livre e espontânea vontade à Coreia do Norte ou não, é uma incógnita. O regime de Pyongyang, atento à situação, aproveita todos os desertores que alcança para efeitos de propaganda. Sucedem-se as conferências de imprensa onde os norte-coreanos rejeitam a vida no Sul, falando "num mundo merdoso sem amor" ou agradecendo a Kim Jong-un “a preocupação carinhosa”. Mas é impossível saber ao certo se estes ex-desertores regressaram por sua vontade ou se, por outro lado, foram pressionados por temer pela vida das suas famílias no país ou até mesmo por terem sido raptados.

Pequenas-grandes mentiras

É mais um dos aspetos relacionados com a Coreia do Norte sobre o qual não é possível ter certezas. Como todas as informações vindas de um país tão fechado, a verificação é praticamente impossível, deixando o resto do mundo à mercê de simples relatos. O mesmo acontece com as histórias dos desertores — são uma pequena janela para o mundo desconhecido da Coreia do Norte, mas até que ponto são absolutamente fiáveis?

A questão foi pela primeira vez levantada com o caso de Shin Dong-hyuk. Em 2015, o desertor alterou publicamente alguns pormenores da sua história de vida, que tinha sido contada no livro do jornalista Blaine Harden “Escape from Camp 14: One Man’s Remarkable Odyssey From North Korea to Freedom in the West” (sem edição em português), nomeadamente a identificação do campo de concentração onde tinha crescido. A correção surgiu depois de Pyongyang ter tornado público um vídeo onde aparecia o pai de Dong-hyuk, desmentindo-o nalguns pontos. O vídeo abalou a credibilidade do norte-coreano, que tinha inclusivamente servido como testemunha para um relatório das Nações Unidas sobre a Coreia do Norte. A ONU, no entanto, considerou que a correção parcial do testemunho de Dong-hyuk “não é significativa para o relatório, as conclusões ou as recomendações da comissão”.

Soldado na fronteira China-Coreia do Norte

As pequenas mentiras ou imprecisões encontradas nos relatos de desertores da Coreia do Norte podem ser explicadas por diversos motivos. Há os efeitos do trauma, que leva por vezes as vítimas a não serem totalmente coerentes nos seus relatos. Outros têm receio do impacto do seu relato nas famílias que ainda estão no país. E existe ainda aquilo que a dissidente e também autora de um livro de memórias Lucia Jang definiu como “a cultura de contar histórias” existente na Coreia do Norte, sobretudo sobre os feitos do Grande Líder, que não valoriza particularmente os factos.

“Muitas vezes vemos que as histórias deles não são completamente coerentes”, admite Chung ao Observador. “Mas isso é porque eles são sobreviventes. Sobreviveram à pior fome da História e fizeram tudo o que tinham de fazer para sobreviver. E alguns ainda o fazem, acrescentam alguns detalhes se sentirem que isso lhes pode trazer mais atenção ou dinheiro.” O responsável da Crossing Borders admite que este é um facto que perturba alguns dos seus colegas em várias ONG, mas Chung não se diz abalado: “Só me mostra que eles precisam ainda mais de ajuda, é uma coisa que me motiva”.

Mas podem estas imprecisões e exageros pôr em causa relatos inteiros de violações de direitos humanos? Para Blaine Harden, autor do livro "Escape from Camp 14", não. “É necessário algum ceticismo dos leitores que chegaram agora aos livros de memórias da Coreia do Norte. Mas, valha isto o que valha, eu acredito nestes livros. São consistentes com a recente investigação da ONU, que encontrou provas arrasadoras de crimes contra a Humanidade a serem cometidos na Coreia do Norte”, escreveu o jornalista.

O relatório do inquérito levado a cabo pelas Nações Unidas e publicado em 2014 concluiu que, ao todo, 1 em cada 185 norte-coreanos está detido num campo de concentração e que, numa população com 25 milhões, 24 não têm efetivamente liberdade de movimentos. Quanto à fome de inícios dos anos 2000, a ONU conclui que 5% da população terá morrido nesse período por falta de alimentos. Em novembro de 2014, depois de apresentado o relatório, os Estados-membros votaram (111 votos a favor, 19 contra e 55 abstenções) uma recomendação ao Conselho de Segurança para que reportasse a situação na Coreia do Norte ao Tribunal Penal Internacional por crimes contra a Humanidade.

Dois mundos ainda distantes

Numa altura em que a Coreia do Norte aparece frequentemente nas notícias, muitos desertores, como Park, pensam que é mais importante do que nunca dar a conhecer a situação dentro do país. “Temos o lado político e o lado dos desertores. Por um lado há as sanções, mas por outro nós podemos dar a conhecer aos norte-coreanos o mundo exterior”, declara Jihyun Park.

Algumas organizações, como os Combatentes por uma Coreia do Norte Livre, liderada pelo desertor Park Sang-hak, organizam ações para levar da Coreia do Sul para a do Norte material como DVDs, rádios, pens USB e folhetos de propaganda, para que os norte-coreanos possam ter contacto com informação vinda de fora. Na zona de fronteira com a China, o contrabando de materiais é ainda mais fácil, como conta Demick no seu livro: “As mercadorias chinesas entravam na Coreia do Norte — não só comida e vestuário, mas também livros, rádios, revistas e até Bíblias, que eram ilegais. Os DVD prensados pelas fábricas de cópias ilegais chinesas eram pequenos e baratos. Um contrabandista podia transportar até mil DVD numa pequena arca, com uma camada de cigarros em cima como suborno para os guardas fronteiriços. (…) Os mais vendidos eram Titanic, Con Air e A Testemunha. Ainda mais populares eram os filmes e as novelas melodramáticas e melosas sul-coreanas”.


Os desertores podem não concordar sobre qual a melhor forma de a comunidade internacional lidar com o regime norte-coreano — Park, por exemplo, é algo crítica da retórica dura de Donald Trump, ao contrário de Lee —, mas não duvidam de que esta estratégia de aproximação do mundo exterior aos norte-coreanos pode ser vencedora. “De 1998 para 2004 notei muitas diferenças na Coreia do Norte”, ilustra Park, comparando o ano em que abandonou o país pela primeira vez e a altura em que regressou por deportação. “Esta nova geração tem mais noção do mundo exterior e com a mudança de geração talvez o regime também mude.” Lee, por seu lado, crê que é um grande desafio e que levará o seu tempo, mas não tem dúvidas em afirmar que Kim Jong-un será “o último ditador do país”.

O contacto com música ou séries estrangeiras dificilmente levará a um aumento da consciência política, como alertou a professora de Estudos Coreanos Kim Sung-kyung num artigo do jornal "Ther Guardian", mas pode levantar algumas questões. Há relatos de norte-coreanos que se disseram impressionados com os folhetos de propaganda vindos do Sul, não pelo seu conteúdo, mas pela qualidade do papel. Para Sung-kyung, o facto de estas experiências serem feitas em segredo pode ser igualmente relevante: “Pode trazer-lhes um sentimento de liberdade, que me parece mais relevante. Pode criar uma consciência dos pares. É uma forma de minar o regime no dia-a-dia”.

Para muitos desertores, a nova geração de norte-coreanos pode ser determinante

É também uma ponte entre dois mundos ainda tão distantes, que conhecem tão pouco um do outro. A Coreia do Norte é para muitos um lugar distante do qual se sabe pouco, caricaturado como um regime governado por loucos com uma população vítima de lavagem cerebral. As histórias dos desertores, mais ou menos fidedignas, ajudam a espalhar alguma luz sobre o ponto escuro no mapa que é a Coreia do Norte.

Do lado inverso, estes norte-coreanos vão navegando um mundo incerto e tão diferente daquele onde cresceram — mas para o qual não desejam regressar. “Só quando cheguei ao Reino Unido é que aprendi a canalizar as minhas emoções”, admite Park, recordando uma refeição em família, já em 2010, onde se sentiu pela primeira vez totalmente feliz. “Lembro-me também da primeira vez que cheguei ao país e me disseram ‘bem-vinda’. Chorei muito. ‘Bem-vinda’ é uma palavra muito importante, porque nunca tinha sentido isso antes.”

Jihyun Park refez a sua vida entretanto em Bury. Vive numa casa com terraço com o marido, um norte-coreano que trabalha num restaurante chinês, e com os filhos (teve outras duas crianças entretanto). Trabalha numa organização pelos direitos humanos na Coreia do Norte e dá aulas de línguas online. Tem uma vida aparentemente normal, organizada, centrada à volta da sua família. É nisso que ela se concentra agora, em olhar em frente. A única exceção é quando se deita: em sonhos, Park ainda vê o seu pai, sentado na sala de estar.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Além da recessão, mais problemas aguardam a Rússia

Stratfor WorldviewAvaliações
1 de junho de 2017 | 09:30 GMT

Destaques da previsão

  • À medida que a economia russa puxa lentamente da recessão, os preços baixos do petróleo irá mantê-lo estagnado para os próximos anos.
  • No entanto, a recuperação e o retorno do investimento estrangeiro, irá aliviar algumas das preocupações do Kremlin sobre as sanções económicas contra o país.
  • O governo russo, entretanto, ficará cada vez mais preocupado com as dificuldades econômicas do povo à medida que as eleições governamentais e presidenciais se aproximam
A economia russa está se recuperando, lenta mas seguramente. Depois de quase três anos de recessão causada por baixos preços do petróleo, a diminuição do investimento estrangeiro e as sanções, as fortunas do país melhoraram no primeiro semestre deste ano. 
O governo russo atualizou sua previsão para o crescimento do produto interno bruto para 2% com base nos preços atuais do petróleo, um pouco mais de meio por cento maior do que a projeção do Fundo Monetário Internacional para o país. E desde que o Kremlin elaborou seu orçamento federal, assumindo que os preços das exportações de petróleo russo seriam de US $ 40 por barril - cerca de US $ 13 abaixo do preço médio deste ano - o governo agora tem um superávit nas mãos.

Mas isso não significa que os problemas econômicos do país estão por trás disso. Em relação à sua última convalescença após a recessão de 2009, que foi mais profunda, a atual recuperação da economia russa é muito menos robusta, em grande parte por causa dos baixos preços do petróleo. (O país perde uma receita de US $ 2 bilhões por cada queda de dólares em preços do petróleo). Os números oficiais do governo, além disso, devem ser tomados com um grão de sal desde que o Kremlin tem mexido com suas estatísticas. A unidade estatística estadual, Rosstat, mudou sua metodologia recentemente para amplificar o efeito do complexo militar-industrial quando o Kremlin embarcou em uma compra de armas. Então, em março, o presidente Vladimir Putin moveu Rosstat, uma vez amplamente protegido da política, sob a autoridade do ministro da economia. O chefe da agência de estatísticas afirma que um funcionário do governo pediu-lhe para ajustar os dados sobre a economia para dar a aparência de que a inflação havia caído. De qualquer forma, a recessão é apenas a primeira em uma ladainha de problemas enfrentados pelo país.


Sinais de esperança

Um sinal de que a economia está se recuperando é que o rublo se valorizou e estabilizada. A moeda começou sua queda de dois anos em julho de 2014 depois que os Estados Unidos e a União Européia impuseram sanções à Rússia. A queda dos preços do petróleo agravou a fraqueza da moeda no final desse ano, e o Banco Central da Rússia mudou-se para colocar o rublo em um flutuador. O Kremlin gastou US $ 30 bilhões para defender a moeda em outubro de 2014 sozinho. Mas desde o início de 2016, quando a taxa de câmbio alcançou 85 rublos no dólar americano, a moeda russa apreciou. A taxa de câmbio é atualmente de cerca de 50 ou 60 rublos para o dólar - confortável o suficiente para o Kremlin.

Uma parte do aumento do rublo deve à recuperação em curso em várias indústrias russas. O Kremlin bombeou mais de US $ 5 bilhões em 199 grandes setores entre o final de 2015 e início de 2016. Os esforços já foram pagos no complexo militar-industrial e na indústria agrícola, que cresceu em 2016. O automóvel, a aviação, o transporte e a máquina Os setores de construção, que fornecem a maior parte do transporte, infra-estrutura e empregos do país, juntamente com 20 por cento do seu PIB, deverão começar a crescer novamente este ano também. Além do seu apoio financeiro, as políticas isolacionistas de Moscou também ajudaram a revigorar suas indústrias. As contra-sanções sobre as importações de alimentos da União Européia ajudaram a impulsionar a agricultura russa em 2016; A produção de grãos atingiu 119 toneladas métricas nesse ano, tornando-se o segundo setor mais lucrativo do país após a energia. Hoje, a Rússia importa menos de 20% de seus produtos alimentares, contra 70% quando Putin assumiu o cargo há 17 anos. As substituições de importação de produtos industriais e de alta tecnologia ajudaram a reduzir a dependência da Rússia de produtos estrangeiros também.


Investimento no país, por sua vez, voltou a seus níveis pré-crise. O investimento estrangeiro direto (IDE) na economia russa cresceu 62% em 2016 em relação ao ano anterior, atingindo US $ 19 bilhões de acordo com a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD). O crescimento é um pouco enganador, no entanto, porque uma grande parcela do total veio de um único acordo: a venda de uma participação de 19,5% na empresa estatal de petróleo Rosneft para a Glencore suíça e o fundo de riqueza soberana do Qatar. A maior parte do produto da transação de US $ 11 bilhões entrou nos cofres do estado. O setor industrial foi responsável por grande parte do restante do investimento directo estrangeiro na Rússia. Muitas firmas alemãs estão voltando a investir no país; O jornal de negócios alemão Handelsblatt relata que o comércio entre os dois estados aumentou 37 por cento até agora este ano, em comparação com 2016. Além disso, a Alemanha parece estar avançando com planos para mover grandes fábricas para a Rússia.


A recuperação Sancionada?

E assim, a truque estatística do Kremlin de lado, a Rússia está se retirando da sua recessão. Conforme o faz, a medida em que as sanções internacionais contra elas contribuíram para a sua situação econômica tornar-se-ão mais claras. O FMI calculou que as medidas punitivas reduziram o PIB real da Rússia entre 1% e 1,5% desde 2014 e que causariam uma perda cumulativa de 9% na próxima década, caso elas permaneçam em vigor. As sanções se dividem em duas categorias principais: medidas que visam pessoal e de medidas orientadas para setores específicos da economia russa. Quando as sanções sectoriais mais duras foram introduzidas em 2014 - impedindo as instituições ocidentais de emprestar, investir ou colaborar com empresas de certas indústrias russas, como os setores de energia e industrial - o rublo teve as consequências imediatas. O resto do país entrou em recessão apenas quando os preços do petróleo caíram.

Agora que a moeda está se recuperando apesar das sanções, parece que as medidas podem ter atingido o limite de sua eficácia. As sanções, por exemplo, não desencorajaram o investimento estrangeiro na Rússia, tanto quanto o ambiente de negócios do país. A Rússia carece de uma cultura jurídica sólida ou de direitos de propriedade claros e, ao mesmo tempo, sofre de altos níveis de corrupção, assédio e regulação no investimento estrangeiro. O efeito principal das sanções, por enquanto, é que os bancos russos devem suportar o ônus de empréstimos para os setores visados nas medidas. Mas, mesmo que não tenha sido totalmente ruim para o país. Sem a opção de reverter suas dívidas externas, muitas empresas e as agências governamentais pagaram-na mais rapidamente por um resultado (provavelmente não intencionado). A dívida externa da Rússia caiu para US $ 75 bilhões até o final de 2015, metade do que era antes das sanções serem impostas.

Além disso, embora o país ainda está carente de investimento estrangeiro e tecnologia, uma brecha nas sanções da UE sobre o setor de energia da Rússia lhe permitiu as empresas europeias para continuar investindo em projetos fracking e empreendimentos de perfuração árticas. Se uma empresa europeia tivesse contratos em vigor antes de as sanções entrarem em vigor, ela pode continuar seu trabalho na Rússia. A Statoil da Noruega e a italiana Eni planejam retomar suas atividades no país no final deste ano neste tecnicismo. Os projetos que caem no vazio, no entanto, provavelmente produzirão apenas o petróleo suficiente para compensar o declínio natural dos poços existentes na Rússia a longo prazo, em vez de aumentar a produção do país. E porque as sanções dos EUA não incluem tal renúncia, a Exxon Mobil não conseguiu continuar fazendo negócios na Rússia.

Ainda assim, os regimes de sanções não são suficientes para persuadir Moscou a dispensar seus objetivos estratégicos atuais no exterior. As medidas estão acelerando a decadência da economia russa, embora ligeiramente. (Os problemas estruturais subjacentes da economia são principalmente responsáveis pelo seu próprio declínio, juntamente com os baixos preços do petróleo e o investimento médio). Consequentemente, o Kremlin provavelmente terá margem de manobra nos próximos anos para perseguir seus objetivos de política externa na Ucrânia, Síria e concursos eleitorais o mundo acabou. Se o investimento em declínio começar a prejudicar as principais empresas de energia do país, porém, o governo talvez precise repensar sua estratégia ou enfrentar a ira das elites russas, incluindo o chefe da Rosneft, Igor Sechin.

O que vem a seguir

E os problemas financeiros do país continuarão independentemente. Embora a Rússia se tenha confundido com a pior recessão, correu muitas das suas reservas financeiras no processo. O Fundo de Reserva, que pretende manter um saldo equivalente a 10% do PIB do país, detém apenas US $ 16 bilhões hoje, a metade da metade desde 2014 e em dois terços desde 2009. O ministro das Finanças, Anton Siluanov, anunciou recentemente que o Kremlin esgotará esse fundo este ano para complementar seu orçamento e terá então a torneira para o Fundo Nacional de riqueza, uma conta destinada a cobrir o pagamento de pensões. (O National Wealth Fund atualmente detém US $ 73 bilhões, abaixo de US $ 88 bilhões antes da crise.) Siluanov afirmou que as receitas de petróleo e gás deste ano reabriam o Fundo de Reserva em 2018, mas o governo pode acabar esgotando suas reservas Se os preços do petróleo caírem abaixo de US $ 40 por barril

Suas garantias, além disso, oferecerão pouca consolação para os russos preocupados de que o Kremlin esteja mergulhando em seu último fundo de emergência. O povo russo ainda está com o peso dos problemas econômicos de seu país. Os salários mensais caíram nos últimos dois anos para menos de US $ 450 em média - menor que o salário médio na China, Sérvia, Polônia ou Romênia. O número de pessoas que vivem abaixo do nível de pobreza, US $ 177 por mês, saltou de 16 milhões em 2014 para 20 milhões no ano passado, de acordo com Rosstat. O primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, prometeu 10 de maio para recuperar os salários do país em níveis de subsistência, mas o processo demoraria até 2019. Entretanto, as estatísticas oficiais mostram que 20% da força de trabalho está empregada no setor informal e estimativas independentes Coloque a proporção mais perto de 40%. Embora os empregos informais tenham mantido a taxa de desemprego baixa - em 6%, pela conta do Kremlin - as pessoas empregadas nesta capacidade não pagam impostos, nem os empregadores. O arranjo, por sua vez, priva os governos federal e regional das receitas tão necessárias.

À medida que seus dificuldades financeiras se agravaram, os russos levaram as ruas em protesto. O Kremlin está preocupado com o facto de os manifestantes canalizarem a sua insatisfação através das suas votações nas eleições governamentais que deverão ter lugar em 16 regiões em Setembro. O governo ainda cancelou seus planos para lançar uma campanha de propaganda destinada a incentivar a participação dos eleitores pelo medo de que os grupos de oposição - desde os apoiantes de Alexei Navalny até o Partido Comunista - pudessem vencer a Rússia Unida de Putin. O presidente e o partido no poder enfrentarão um teste ainda maior em março de 2018, quando o país realizará as próximas eleições presidenciais. Putin espera-se que funcione para um quarto mandato, e uma recente pesquisa da Levada questiona se ele alcançará o limite de 50 por cento exigido para evitar uma segunda volta. O presidente em exercício provavelmente venceria seu rival se as eleições fossem para uma votação de segunda rodada. Ainda assim, a própria possibilidade de um segundo turno é um testemunho do crescente descontentamento do eleitorado.