sábado, 31 de dezembro de 2016

Finlândia em crise admite deixar Euro

PEDRO A. SANTOS
Internacional 5 Feb, 2016
Há quatro anos destacavam-se entre os que exigiam castigos mais duros para Portugal. 
Agora estão em crise profunda e não querem a mesma austeridade que nos foi imposta. 
Quando olham para o sucesso sueco, norueguês e dinamarquês, os finlandeses retiram uma conclusão óbvia: para evitar um massacre social e económico como o nosso, têm de sair do Euro.

Não deixa de ser irónico: o país que disse que Portugal endividado tinha de ser expulso da Zona Euro atravessa agora uma crise de tal amplitude que talvez tenha, ele próprio, de deixar de usar a moeda única. 
Recentemente, Paavo Väyrynen, eurodeputado pelo Partido do Centro da Finlândia (actualmente no poder), afirmou mesmo que o seu país “não tem tempo para desperdiçar na saída do Euro”. 
O político reuniu os 50 mil apoios escritos necessários para a convocação de um referendo sobre o tema, mas adianta que vai tentar que a decisão seja directamente tomada pelo parlamento, tal a pressa: “um referendo demoraria anos” a concretizar, referiu.

O Governo, de centro-direita, está dividido sobre que caminho escolher. 
Após quatro anos de recessão, a economia deste país nórdico encontra-se completamente estagnada. 
A Comissão Europeia admitiu, na semana passada, que a Finlândia é hoje o Estado-membro com menor crescimento: meio por cento.

Enquanto o país agredia verbalmente Portugal, não deu atenção suficiente aos seus próprios problemas. 
Os custos de mão-de-obra do país são 10 a 15 por cento mais elevadas do que os dos seus parceiros comerciais, disparidade que já não pode ser consertada com uma desvalorização monetária, apenas com austeridade. 
Curiosamente, quando o mesmo aconteceu em Portugal, os finlandeses foram dos primeiros a defender que os portugueses tinham de se tornar mais competitivos, e que não tínhamos sequer dignidade suficiente para o actual ordenado mínimo.


A palavra “flexibilização laboral” também entrou no léxico da antiga colónia russa, saída da boca de Olli Rehn, o antigo comissário da UE odiado pelos europeus do sul. 
Dois feriados vão ser cortados, e as empresas vão deixar de ser obrigadas a negociar em concertação social, passando a poder pagar o mínimo possível. 
Previsivelmente, os finlandeses saíram à rua para paralisar o país com greves. 
Depois de quererem condenar Portugal a vários anos de dor, os finlandeses não querem o mesmo remédio. 
Mas há quem acha que nenhum dos países tinha de passar pelo desastre que agora enfrenta.

Soberania monetária

Sem o peso do dogmatismo pro-europeísta, dois académicos finlandeses elaboraram um estudo que permitiu projectar o que teria acontecido se o país nunca tivesse abandonado a sua antiga moeda, o “Markka”. 
Segundo a simulação, com o impacto da crise, o Markka teria desvalorizado 20 por cento em relação ao Euro, mas a recuperação económica do país teria sido muito mais veloz, pois as exportações teriam aumentado 15 por cento.

Um dos académicos, Tuomas Malinen, é decisivo nas suas conclusões: a culpa da estagnação do país é do Euro. 
Admitindo que o colapso da Nokia e o mercado de trabalho rígido são problemas estruturais graves, as conclusões do académico são que “apenas se tornaram um problema inultrapassável porque a Finlândia usa o Euro”. 
No entanto, fica a nota: abandonar a moeda única tem custos, que os académicos estimam em 20 mil milhões de euros.

Para os detractores do Euro, o custo valeria a pena, e seria recuperado após alguns anos. Caso exemplar é a Suécia, um pequeno oásis de prosperidade no meio de um deserto económico: durante o período da crise na Europa, o país cresceu oito por cento. 
Em comparação, a Zona Euro ainda não regressou aos níveis económicos pré-recessão.

Outro exemplo é o Reino Unido, que é hoje a economia mais pujante da Europa, tudo porque gere a Libra Esterlina conforme as suas necessidades. 
Do outro lado do canal, a França enfrenta mais um ano de elevado desemprego e crescimento quase nulo. 
Não admira, pois, que David Cameron já tenha explicado taxativamente a Bruxelas que nunca, por nunca ser, a União Europeia poderá exigir que o seu país adopte o Euro.

A dura realidade da moeda única

Todas as principais agências de ‘rating’ colocaram as perspectivas da Finlândia em “negativo”, e o Governo vai ter de aumentar a dívida em 13 mil milhões de euros em 2016, na melhor das hipóteses. 
A despesa pública do país representa agora 58 por cento do PIB nacional, o valor mais elevado da Europa e um dos mais elevados do mundo.

A União Europeia governou a sua moeda apenas em benefício de um único país durante demasiado tempo, e não faz os necessários incentivos monetários a tempo. 
Apesar de Mário Draghi ter o Banco Central Europeu a oferecer amplos estímulos financeiros, incluindo uma taxa de juro (e, por arrasto, de crédito) perto de zero por cento, a economia Europeia continua estagnada e a deflação começou a instalar-se.

Na Finlândia, os políticos pró-europeus falam, de forma desesperada, em “inovação” para consertar os problemas da Nação. 
De facto, o país é casa de alguns dos melhores técnicos, cientistas e profissionais do mundo, mas criar nova riqueza é difícil. 
No seu auge, a Nokia dava emprego a quase 200 mil pessoas. 
Hoje, o sector dos videojogos, que o Governo local aplaude como um exemplo, apenas emprega 2.600 trabalhadores. 
Apesar de haver ideias, e até financiamento, exportar com o peso do Euro é muito difícil. 
O desinvestimento no sector da educação e a “fuga de cérebros” para países mais prósperos e dinâmicos, como o Reino Unido e os Estados Unidos, coloca ainda o futuro do pequeno país mais em causa, tal como acontece actualmente em Portugal. 
Vale a pena continuar no Euro? 
É possível que os finlandeses em breve votem sobre o assunto.

Finlândia: Volta-se o feitiço contra o feiticeiro

PEDRO A. SANTOS
14 de setembro de 2015

Quando Portugal mais precisava de ajuda, a Finlândia ridicularizou-nos e castigou-nos com ameaças de veto. Agora, tem de engolir o amargo do seu próprio remédio…

Portugal é uma nação quase milenar, a Finlândia é uma antiga colónia russa cuja independência não conta sequer um século. 
O nosso País enfrentou dezenas de crises, guerras e ameaças à sua existência, sendo a bancarrota de 2011 apenas mais uma delas. 
Mas os finlandeses acharam por bem tentar humilhar Portugal, demonstrando bem o seu sentido de “solidariedade europeia”. Simplesmente, quem ri por último ri melhor. 
Face ao eco de uma afronta finlandesa, Portugal decidiu ressurgir.

Parece tão perto – e tão longe, ao mesmo tempo. 
Em 2011, Portugal era um País com as contas completamente descontroladas e a economia de rastos. 
A Finlândia, pelo contrário, ficou rica a vender papel e madeira aos russos, e telefones Nokia ao resto do mundo. 
Quando Portugal precisou de um resgate devido às políticas despesistas do governo da altura, a “solidariedade europeia” dos finlandeses traduziu-se numa ameaça constante de veto e em insultos constantes ao nosso povo.


Fomos apelidados de preguiçosos, burros e gastadores do “dinheiro deles”. 
Até um jogo ‘online’ fizeram, intitulado “o rei de Portugal”, em que os portugueses irresponsáveis queimavam o dinheiro finlandês (alguém deveria ter explicado aos “iluminados” finlandeses que Portugal não é uma Monarquia desde 1910). 
Outros fizeram vídeos a gozar connosco no youtube.

A situação mediática ficou tão negra que até Marcelo Rebelo de Sousa, que tudo indica que será um candidato a Belém, viu a necessidade de fazer um pequeno filme a explicar aos finlandeses que Portugal não era tão mau como parecia. 
Uma boa iniciativa patriótica, mas o filme nunca passou nem na Alemanha, nem na Finlândia. 
Felizmente, os portugueses decidiram então falar pela força das suas acções.




Portugal ressurge, Finlândia afunda

“Finlândia, em tempos o orgulho da Eurozona, é um agora um fracasso” – escreveu o “The New York Times” na mesma edição em que elogiava o progresso que Portugal fez na sua economia e no seu turismo. 
Nesse artigo, o prestigiado jornal norte-americano afirmou “que desilusão!” quando se referiu ao país nórdico. 
E é mesmo uma desilusão para muitos sectores, especialmente os socialistas. 
Para a história fica a ideia fixa de José Sócrates de copiar tudo o que era finlandês. 
Mas a ideia de que esse país era infalível foi uma invenção de ‘marketing’, e bastou a imposição de sanções à Rússia para a economia finlandesa entrar numa espiral depressiva. 
A recessão na Finlândia já dura há três anos, e o desemprego dessa “terra socialista de milagres sociais” chegou aos 10%, apenas um ponto abaixo da taxa de desemprego portuguesa.

A economia portuguesa, entretanto, melhorou extraordinariamente, graças ao trabalho árduo dos nossos empreendedores, facto reconhecido até pela revista económica “Forbes”, que incentivou os Estados Unidos a investirem imediatamente no “Tigre Lusófono”. 
Muitos seguiram o conselho: o investimento norte-americano está a aumentar a olhos vistos, segundo novos dados do INE. 
As projecções para o crescimento do PIB são de 1,4% este ano. 
O PIB finlandês caiu 0,1 no primeiro semestre deste ano, e deverá ter uma queda total de 0,6% no total do ano. 
As previsões para 2016 não são animadoras.

Antes da crise, fomos acusados de não conseguirmos competir e de inventarmos desculpas para a nossa falta de competitividade. 
Agora competimos, e outros inventam desculpas. 
O antigo primeiro-ministro da Finlândia, Alexandre Stubb, culpa… a empresa de computadores Apple pela desgraça que está a afectar o seu país: “o iPhone matou a Nokia e o iPad matou a indústria do papel finlandês”. 
Mas quando a competição externa matou grande parte da indústria têxtil portuguesa, lançando milhares no desemprego, os países nórdicos pouca, ou nenhuma, solidariedade mostraram para connosco.

Resgate à vista?

“Não é tão mau como o caso da Grécia, mas é apenas uma questão de tempo” – é o prognóstico que o jornal “The Guardian” faz da situação finlandesa. 
A economia ruma ao terceiro ano de recessão, e as duras medidas de austeridade nada estão a conseguir fazer para diminuir o enorme deficit. 
Aliás, a Comissão Europeia já avisou que a Finlândia vai provavelmente ser multada por ter um deficit excessivo. 
Os juros da dívida soberana do país estão a subir e o ‘rating’ está em queda, tendo os finlandeses perdido o estatuto “AAA” de que ainda beneficiavam.

Mas há pouca solidariedade dos restantes povos face à austeridade de um país que foi um dos seus maiores campeões quando esta tinha de ser aplicada nos países do Sul europeu. Olli Rehn, o finlandês que foi Comissário para a Economia em Bruxelas durante os piores anos da nossa crise económica, foi por vezes acusado de ter lançado um “Rehn de terror” [sic] sobre os países mais fragilizados da Europa. 
Agora é a vez da Finlândia de cortar no seu generoso Estado Social. 
Mesmo assim, o actual governo recusa aumentar impostos, rejeitando a receita que nos impôs a nós, e o povo está nas ruas, a protestar contra a mesma austeridade que aplaudiram quando imposta aos portugueses.

Por agora, a Finlândia ainda não se encontra em necessidade de um resgate, mas a sua situação económica e financeira é muito parecida com a portuguesa antes de 2011, logo esse dia poderá chegar. 
Se o primeiro-ministro português vai ameaçar vetar esse resgate ainda é uma incógnita, mas se o fizesse certamente que os portugueses aplaudiriam.

Nunca se deve escarnecer de uma Nação tão velha que já viu, ao longo da sua história, nascerem e morrerem muitas das Finlândias deste mundo…

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Um ex-funcionário da Igreja Ortodoxa Russa e do FSB recebeu 12 anos por traição

LENTA. RU  11:55, 14 de junho de 2016
Um ex-funcionário do FSB e do Patriarcado de Moscovo da Igreja Ortodoxa Russa (ROC), Yevgeny Petrin condenado a 12 anos de colônia por traição. 
Esta decisão foi tomada na terça-feira, 14 de junho  pelo Tribunal da Cidade de Moscovo, relatórios RIA Novosti. 
Petrin também multado em  200 mil rublos. 
O Tribunal limitou sua liberdade por dois anos depois de sua libertação da prisão.

O advogado de Convict, Ivan Pavlov, disse que Petrin apelou. 
"Proteção de mãos e pés atados, fecharam os olhos - não familiarizados com a lei secreta, que é acusado de violar o meu cliente, rejeitou todas as petições", - disse ele.

Protecção acredita que a formulação das acusações "extremamente turva e incorreta", relata "Interfax".
O caso "secreto" carimbo marcado. 
As reuniões foram realizadas às portas fechadas, e os detalhes do processo não foram divulgados.

Conforme observado por RIA Novosti, o tribunal nomeou uma pena mínima prevista no artigo 275 ("Gosizmena") do Código Penal. 
Neste caso, a promotoria exigiu para o réu de 19 anos de prisão, mas a defesa pediu para justificar a não admitir a culpa Petrina. 
A pena máxima para este artigo - 20 anos de prisão.

De acordo com uma fonte na Igreja Ortodoxa Russa, Petrin trabalhou no Departamento de Relações Exteriores da Igreja (DECR) do Patriarcado de Moscovo e da longa dignidade sacerdotal. 
Em 2013 ele foi convidado a levá-lo para trabalhar no DECR, alegando conhecimento de línguas estrangeiras e o desejo de beneficiar a igreja, 2014 renunciou a seu próprio pedido. Antes de se juntar à ROC Petrin era militar, ele tem um diploma de Direito.

O irmão do condenado disse a "Interfax" que Petrin trabalhava nos serviços de segurança, mas renunciou a seu próprio pedido. 
"Eugene, como membro do Departamento de Relações Eclesiásticas Externas do Patriarcado de Moscovo em 2013, reuniu-se com os estrangeiros suspeitos de espionagem em favor dos Estados Unidos em detrimento dos interesses da Igreja Ortodoxa Russa, especialmente na Ucrânia ", - disse a fonte.

Segundo ele, este encontro Petrin disse em um local de trabalho anterior, mas as forças de segurança não estão interessados nessa informação. 
Em seguida, o preso supostamente continuou a recolher informações por conta própria, enquanto ele foi preso em junho de 2014. 
Ele foi acusado de traição em favor dos EUA.

Mulher russa acusada de "traição" por relatar soldados enviados à Ucrânia

Halya Coynash
2015/01/30

Depois de meses em que as autoridades russas tentaram esconder informações sobre soldados russos lutando e morrendo na Ucrânia, uma mãe de sete pessoas de Smolensk está detida diante de acusações de traição por tentar divulgar esse "segredo de Estado".


Svetlana Davydova está na prisão Lefortovo em Moscovo acusações de traição estadual em apoio à Ucrânia. As acusações contra a mãe Smolensk de sete fihos referem-se a um telefonema que ela fez para a embaixada da Ucrânia em abril de 2014. Ela telefonou para informar que a unidade militar próxima à sua casa estava deserta, e que os soldados podem ter sido enviados para Donetsk em Leste da Ucrânia.

O caso contra Davydova, No. 3 / 1-10 / 2015 é registrado aqui, embora os detalhes venham de um artigo de jornal no jornal Kommersant normalmente confiável. Seu correspondente foi informado pelo marido de Davydova Anatoly Gorlov que um contingente de homens em roupas camufladas negras apareceu pelas 8,30 em 21 de janeiro, juntamente com um oficial à paisana que se identificou como um investigador FSB em casos particularmente importantes. Procedeu à apreensão de Svetlana Davydova sob acusações sob o Artigo 275 do código criminal russo. Ela foi levada embora e uma busca foi levada a cabo da casa. O FSB removeu todos os notebooks, computadores e laptops.

Ela foi levada para Moscou imediatamente e em prisão preventiva nem com o FSB, nem o juiz em causa que Davydova tem 7 filhos pequenos.

O que o FSB chama de "traição estadual"

Em abril de 2014 Davydova notou que a unidade militar No. 48886, que normalmente é ocupada pela brigada da Unidade de Inteligência Chefe [82], estava praticamente vazia. Inicialmente, ela não fez nada disso, e saiu para Smolensk. Lá, entretanto, ao viajar no transporte público, ouviu-se um soldado militar da unidade que falava no telefone. Durante a conversa, ele explicou que ele e o outro homem estavam sendo enviados a Moscovo em pequenos grupos, todos em roupas civis, e depois enviados mais longe em uma viagem relacionada com o trabalho.

De acordo com Gorlov, sua esposa estava a seguir o que estava acontecendo no leste da Ucrânia e imediatamente entendeu que a "viagem relacionada com o trabalho 'poderia ser a Ucrânia. Ela disse a Gorlov sobre a conversa, em seguida, decidiu ligar para a embaixada ucraniana em Moscovo. Uma nota que ela fez da chamada foi agora adicionado ao processo. A chamada consistia em dizer a alguém na embaixada que ela tinha tanta informação e esperava por comunicá-lo para evitar possíveis mortes.

Ela não falou com representantes da embaixada, mas quem respondeu ao telefone prometeu que iria levar a informação em mente.

Então provavelmente o FSB provavelmente interceptou telefonemas para a embaixada. O FSB prometeu responder às perguntas do Kommersant dentro de um mês.

Segredo de Estado?

Kommersant falou com Anna Stavitskaya, um conhecido advogado russo que defendeu, entre outros, Igor Sutyagin, que foi condenado a 15 anos pelo que o FSB chamou de espionagem, apesar de ter publicado informações publicamente disponíveis sobre as armas nucleares russas.

Stavitskaya observa que o artigo 275, que pode levar 20 anos de prisão, abrange a divulgação de um segredo de Estado ou a prestação de consultas a outro Estado "dirigido contra a segurança da Federação Russa". Davydova não tinha acesso a segredos de Estado. Além disso, "no decorrer deste caso, o FSB terá de admitir que eles estão enviando soldados para a Ucrânia ou afirmam que nosso vizinho está travando guerra contra nós e é suposto atacar. Qualquer que seja o caso, isto é susceptível de colocar os investigadores em uma posição desconfortável ".

Outros métodos

Como intimidação, as acusações contra Davydova certamente seriam eficazes, mas Stavitskaya certamente tem razão sobre o efeito que tais revelações teriam. Até agora, as autoridades tentaram, de forma não muito convincente, encontrar algum outro pretexto para medidas repressivas contra ativistas cívicos e jornalistas que investigassem o número cada vez maior de soldados enviados à Ucrânia para lutar, especialmente aqueles que foram mortos ou feridos.
Sepulturas não marcadas em Rostov
Entre estes, estão o caso criminal duvidoso contra Ludmila Bogatenkova, de 73 anos, chefe de um Comitê Regional de Mães de Soldados em Buddyonovsk, que estava em prisão preventiva em outubro. Ela só foi libertada quando ficou claro que seu estado de saúde tornava provável que ela não sobreviveria à detenção.

Bogatenkova e sua comissão haviam investigado ativamente a morte de conscritos russos e soldados contratados na Ucrânia.

Em 27 de janeiro, um tribunal de São Petersburgo rejeitou o recurso interposto pelas ONGs das Mães dos Soldados de São Petersburgo contra o registro forçado deles como "agente estrangeiro". A decisão do Ministério da Justiça da Rússia foi anunciada no final de agosto, poucos dias depois de representantes das ONGs terem falado publicamente de soldados sendo enviados para a Ucrânia.

Recentemente, foi iniciada uma investigação similar contra a ONG For Human Rights.

Russa condenada por "incitar inimizade" por criticar a guerra de Putin contra a Ucrânia

Halya Coynash    2016/02/22

Um tribunal de Yekaterinburg considerou Yekaterina Vologzheninova, de 46 anos, culpado de "incitar a inimizade" por repostagem ou "gostar" de material crítico da anexação da Criméia à Rússia e da guerra em Donbas. 
Este é o mais recente de uma série de acusações na Rússia de pessoas que criticaram as ações da Rússia na Ucrânia em redes sociais. 
Aqueles como o ideólogo fascista Alexander Dugin, que apoiam abertamente a guerra em Donbas e que pode ser ouvido em uma gravação de vídeo chamando para que os ucranianos sejam mortos permanecem intocados. 
A sentença poderia ter sido muito pior, no entanto, como com outros processos recentes, sentença de 320 horas de trabalho obrigatório do juiz Yelena Ivanova foi mais dura do que a solicitada pelo promotor. O veredicto, naturalmente, será apelado. Grani.ru informa que o juiz também ordenou que o laptop Vologzheninova deve ser destruído. A audiência contou com a presença dos cônsules francês e alemão em Yekaterinburg, e a sentença reuniu-se com gritos de "Vergonha!" da sala do tribunal.
As acusações contra Vologzheninova estavam sob o Artigo 282 do Código Criminal russo - incitando a inimizade motivada étnicamente (contra russos).

Os policiais entraram em seu apartamento no dia 12 de dezembro de 2014 e, depois de realizar uma busca, levaram-na para interrogatório. 
A Amnistia International relata que os investigadores também questionaram colegas e conhecidos tentando provar que Vologzheninova queria "incitar a inimizade".

Parece, no entanto, que o juiz teve de contentar-se com uma avaliação "psicolingüística" do material sobre VKontakte que concluiu que as ilustrações e textos visavam incitar o ódio e a hostilidade para com os russos. Ela também decidiu convencer-se de que houve "propaganda de inferioridade" em relação a um grupo nacional específico - os russos e os residentes do leste da Ucrânia que não apoiaram o curso político de Kyiv.

O veredicto indica que houve também chamadas para a violência contra os russos, embora não seja totalmente claro onde isso foi encontrado.

Um momento interessante, que pode explicar por que o juiz apareceu uma hora mais tarde do que o previsto, foi a remoção da acusação relativa a uma caricatura parecida com o presidente russo Vladimir Putin. Isso mostrava a aparência de Putin com uma faca em sua mão que é levantada sobre o mapa de Donbas

Ivanova afirmou que um desenho animado como Putin não pode ser motivo para processo criminal. Parece bastante mais provável que Putin foi removido por causa da inevitável publicidade sobre este caso. Certamente, Ivanovna não tinha tanta preocupação quanto à acusação por críticas às ações do Kremlin em Donbas.

O material gostado ou repostado incluindo conteúdo de fontes ucranianas. Ela também repostou vários poemas e posts onde os russos são descritos como "escravos permanentes em corpo e alma", e pensar de passarinho. Ela foi acusada de compartilhar links para documentários e programas sobre eventos na Ucrânia, incluindo "O Inverno que nos mudou" e o programa "Valentes Corações".

O advogado de Vologzheninova, Roman Kachanov, enfatizou que seu cliente simplesmente publicou material na Internet sem fazer nenhuma alteração neles.

A mensagem é assustadoramente clara: mesmo comentários e "gostos" que vão contra a política do Kremlin pode trazer-lhe problemas. O veredicto foi infelizmente o esperado. Vologzheninova já havia sido adicionado à enorme lista russa de terroristas e extremistas (nº 983 de uma lista que atualmente contém 4 431 nomes, incluindo os prisioneiros políticos ucranianos Oleg Sentsov e outros). Seu cartão de crédito foi bloqueado.

Tudo isso é idêntico ao tratamento do poeta e professor russo Alexander Byvshev que em julho deste ano foi condenado por "incitar inimizade" e sentenciado a 300 horas de serviço comunitário. Ele também tinha seu computador confiscado, foi rotulado como um "extremista ou terrorista" e foi proibido de trabalhar como professor de escola por dois anos. Em seu caso, isso foi para o poema "To Ukrainian Patriots", em que ele expressa sua oposição à anexação da Rússia da Criméia e sugere que os ucranianos devem garantir que nem uma polegada da Criméia é entregue "aos chequistas de Putin" (ver: poeta russo sentenciado sobre poema em apoio da Ucrânia).

As conseqüências podem ser muito piores,

Em junho de 2015, um tribunal russo condenou Rafis Kashapov, de 56 anos, a três anos de prisão por mensagens na rede social criticando a anexação da Criméia pela Rússia e a agressão no leste da Ucrânia. Estas foram consideradas como tendo sido 'chamadas públicas para violar a integridade territorial da Rússia "e" discurso do ódio "Eles podem ser vistos aqui e deve ser compartilhada amplamente como o que pode obter uma pessoa três anos de prisão na Rússia de Putin. Kashapov está na prisão desde dezembro de 2014. Seu caso está agora à espera consideração pelo Tribunal Europeu de Direitos Humanos após o Suprema Corte da Rússia confirmado sua sentença.

No final de 2015, 35-year-old Vadim Tyumentsev de Tomsk (na Sibéria) foi condenado a 5 anos de prisão para chamadas para o protesto pacífico e comentários críticos na internet sobre a agressão militar russa na Ucrânia e separatistas pró-russos. Tyumentsov, detido desde 28 de abril deste ano, foi declarado prisioneiro político pelo renomeado Memorial Human Rights Center em novembro.

Mama Oksana Sevastidi abriu conteúdo sms para que depositou uma filha

Moskovsky Komsomolets
2 de dezembro de 2016 às 16:58

De acordo com a pensionista, Oxana respondeu a uma pergunta sobre um amigo, estão lá tanques em Sochi, e a resposta foi negativa

Caso Oksana Sevastidi, que concedeu 7 anos de prisão por SMS sobre tanques, seguindo na direcção da Abkházia, adquire novos detalhes.
"MK" conseguiu entrar em contato com sua mãe prisioneira, que contou a cronologia dos acontecimentos.
Pensionista afirma que sua filha viu o destinatário da mensagem apenas duas vezes em sua vida.
No entanto, ele próprio foi o iniciador da correspondência, que consistia em apenas uma pergunta provocativa por parte de homens e mulheres da resposta inócua.
Caso Oksana Sevastidi já custou a vida de uma pessoa.
Após a notícia de que Oksana implantada, sua avó lutou um curso a partir do qual ela morreu.

Como já foi informado "MK", no outro dia soube-se que a colônia em Kineshma cumprindo uma sentença de 46 anos de idade, Oksana Sevastidi, acusado de traição.
Mulher condenada por uma mensagem de texto que alegadamente enviou um amigo na Geórgia.
Descobrimos como foi realmente.

Oksana, com sua mãe e sua avó, morou em Sochi em 1994.
Antes disso, eles viveram 18 anos em Sukhumi, onde se formou na escola russo-georgiana.
Quando a guerra começou, eles tiveram que fugir de Sochi, abandonando dois apartamentos.
A avó de Oksana - um veterano da Segunda Guerra Mundial, e graças à sua família fornecido abrigo em um albergue, e não muito tempo atrás deu o apartamento.
Em Sukhumi, Oksana trabalhou no Komsomol, e depois no Ministério do Interior da proteção privada.
Em Sochi, a mãe e a filha tinham de se organizar no comércio: Svetlana trabalhava no mercado, e Oksana - uma vendedora na padaria.
O primeiro marido de Oksana morreu, ele era um grego, era seu nome agora carrega Oksana, nee ele Panchenko.
Alguns anos atrás, ela se casou novamente, para um Zuriko Georgiano que mora em Sochi, trabalha como motorista.
Eu queria mudar o nome que vai completar 45 anos.
Mas este aniversário que tinha já assinalado na prisão.

- Política Oksana nunca interessado em - diz Svetlana mãe mulheres.
- Era uma pessoa em casa, ela tinha acesso à internet, mas lá é apenas nos jogos de computador jogado em redes sociais: as flores regadas, alguns animais pequenos alimentados.
Oksana tem um grande respeito pelo nosso Presidente, o que é mais, ela é um membro do partido "Rússia Unida".
Minha filha está em nossa área todos ama e todos sabe que é chamado mesmo "Madre Teresa" para sua bondade.
E aquele cara, por causa do que aconteceu, ela nem sabia mesmo.

Destino mensagem infeliz - Timur Buskadze - Oksana visto apenas duas vezes na minha vida.
Em Tbilisi, deixou muitos amigos, visitou-os periodicamente.
Em 2006, a fronteira entre a Abkhásia e a Geórgia, perto da cidade de Zugdidi, quando Oksana viajava para a Geórgia com dois amigos, conheceu um cara, um funcionário aduaneiro.
Ele perguntou onde eles estavam?
As meninas disseram que de Sochi, mas por um longo tempo viveu em Sukhumi.
O rapaz ficou encantado e disse que ele, também, vem de Sukhumi, ele foi levado para fora no início da guerra, quando ele ainda era uma criança.
Oksana perguntou quem eram seus pais, Timur chamou o nome e disse que o pai trabalhava no Ministério dos Assuntos Internos.
Descobriu-se que com ele Oksana mesmo saber, para trabalhar em conjunto.
Então eles se tornaram amigos e trocaram números de telefone.
Pela segunda vez e Sevastidi Buskadze vimos um no início de 2008, lá na fronteira.

E em abril, a mulher mandou o mais SMS, que se tornou fatal.
Foi assim que foi.

Oksana sentou-se em casa e jogos de computador.
Telefone sinalizado: Enviar SMS, o remetente - Timur, "Oksana, você faz isso, há tanques na plataforma?".
Ela enviou uma resposta: "No passado, havia, não sei agora."

O que em última análise, se reflete na prática?
O que Oksana não apenas confirmou o movimento de tanques, mas até mesmo os contou e caracterizou.
E como supostamente chamou destino.
A mulher nega.
Havia apenas uma mensagem.

Depois disso Timur o relacionamento nunca saiu.

E sete anos mais tarde, 15 de janeiro de 2015, Oksana chamada casa e foi convocada para o FSB.
Lá começou a perguntar se ela trabalhava para os serviços especiais georgianos.
A mulher não conseguia entender o que era esperado de sua vontade, ele respondeu negativamente.
Então ela leu para seu próprio sms-ku.
"Já faz tanto tempo, eu nem me lembro!" - Oksana espantada.
Em seguida, as forças de segurança chegaram com Oksana casa e confiscaram um laptop, telefone celular e levou-a novamente.
Casa, ela nunca mais voltou - é imediatamente enviado para um centro de detenção em Krasnodar.

- Oksana foi tomada na mesma, o que era - diz Svetlana.
- Fiquei louca enquanto esperava por ela, 10-11-12 noites - todas as filhas, não!
Para mim ninguém disse nada.
Oksana implorou guardas prisionais me ligar e avisar.
De manhã, eu vim para o FSB.
Eu disse a ele que sua filha não tem nada a ver com os serviços secretos, ela trabalhou em uma loja no mercado, mesmo programa político não estava olhando.
"Sua filha - um espião!" - Corte-me.
Eu desmaiei...

Pensionista prometeu entender.
Ela foi para Krasnodar, onde o investigador parece ter esperança de que Oksana será libertada em breve, mas isso não aconteceu.
Durante este tempo, o investigador Trojan chamou-a para questionar apenas duas vezes.
No caso Sevastidi escreveu quatro volumes.
Mais importante - e suspeito - absolutamente nenhum advogado de interesse.
Após o veredicto, ele não interpôs recurso a tempo.
Embora a família lhe pagasse o dinheiro.

Segundo nuance - uma consequência de uma pessoa não está interessada Buskadze.
Isso o elevou ao posto de oficial dos serviços especiais georgianos.

- Por que no caso escreveu que ele estava trabalhando em inteligência, eu não sei.
Além disso, eles apontaram o seu número de telefone e 11 dígitos na mesma.
Um número Tbilisi composto de 12 dígitos.

- Vocę ligou para esse número?

- Eu tentei ligar para ele, eu disse ao atendedor de chamadas, que esse número não existe.
Eu queria que ele, como humano, perguntasse: o que você fez com meu filho?

Quando Oksana foi presa nas mãos Svetlana Ivanovna eram uma mãe idosa, para que exigiu o cuidado constante.
Pensionista até recentemente não lhe disse sobre o que aconteceu problemas com sua neta Xenia.
Mas quando Oksana foi condenada à prisão, eu tive que contar tudo.
Sevastidi avó não sobreviver à notícia: ela teve um acidente vascular cerebral, e em abril de 2016 ela morreu.
Svetlana em si também está sob constante supervisão médica: nervos tensas todas as feridas.

- Por que não se dirigiu aos defensores dos direitos humanos?

- Lamento que eu não tenha tocado o alarme imediatamente.
Mas eu estava intimidada.
Os oficiais do FSB mandaram segurar a língua, argumentando que é no nosso melhor interesse.
Também não legalmente esclarecido, eu não sei o que fazer.

Recentemente Oksana recebeu uma carta, ela escreveu que a FSIN pediu para traduzi-lo mais perto da região de Krasnodar, para visitar a mãe poderia.
Ela recusou: "As razões para a tradução lá."
Escreveu a primeira vez na minha vida vi neve, que o desapego é bom, não faz mal.
O que faz com que o chefe da colônia, ele perguntou: "Dê, pelo menos, olhar para você, tenho para este artigo, ninguém estava sentado.
O que você fez? "

- Ela é acusada de que ela passou em informações secretas, - diz Svetlana.
Mas o que ela poderia dizer?
Ela nem sabe onde a unidade militar está localizada.
E esses tanques que todos nós vimos, todos sabiam que eles estavam indo para Abkhazia - qual é o segredo.
Como eles poderiam encontrá-la um espião, mesmo que não seja o primeiro SMS escrito, basta responder à pergunta?
"Mamãe, eu não acho que cometer algo ilegal!" - Confessou-me Xenia.
E quem teria pensado!
Ajude-nos do que você.
Meu coração está despedaçado.

***

À disposição de "MK" estava uma carta que é enviada para Oksana Sevastidi Centro de Direitos Humanos "Memorial" da colônia na região de Ivanovo.
Nós publicamos um trecho:

"Querido Sergej!
Fui condenado pelo tribunal regional de Krasnodar ao abrigo do artigo 275.º, um prazo de 7 anos para uma mensagem de texto.
Meu caso e Kharebava (Catherine Kharebava - residente de Sochi, também condenada por espionagem em 2014 pelo SMS de equipamento militar - Aut.)
Levou um investigador e condenou o mesmo juiz.
Meu SMS foi enviada em Abril de 2008, nenhuma luta não era, eu estava em Sochi.
E eu fui presa em 15 de janeiro de 2015, alegando que houve uma guerra na Ossétia do Sul.
Mas começou em agosto.
Dei algumas indicações, e no tribunal parecia diferente, até mesmo a leitura de sua mãe foram alteradas. <...> Em casa, eu era mãe idosa sozinha, mais do que temos ninguém.
Eu atribuí o desconhecido que, e eu só trabalhei em uma loja de pão e não suspeitava nada.
Peço-lhe, peço-lhe, ajude-me a compreender o meu negócio, você é a única esperança que restava para mim.
O lugar onde estou agora, parece-me um sonho, que tudo isso não está acontecendo comigo.
Peço-vos que ajudem não só por si mesmos, mas também salvarão uma só vida - minha mãe. "

O caso de Sevastidi - não é único. Basta lembrar Svetlana Davydova da região de Smolensk, que foi acusada de divulgar o destacamento de tropas russas na fase ativa do conflito com a Ucrânia. Também na região de Krasnodar da Geórgia Ekaterina Kharebava cidadão foi condenado a 6 anos por um sms sobre o mesmo conteúdo como no caso de Oksana. Deve-se notar que o caso foi encerrado como resultado de Davydova e Kharebava muito rapidamente lançado em uma amnistia conjunta. By the way, no caso de Catherine e Oksana considerado um e o mesmo juiz. Tem-se a impressão de que a polícia e Themis executar um plano pelo número de traidores desmascarados. Quando domina sobre o plano oficial, ainda vai sentir falta de alguém - este espião ou uma vendedora comum.

QUE DIZEM OS ADVOGADOS

Advogado Oksana Sevastidi Ivan Pavlov:

- A Lei "Sobre Segredo de Estado" afirma claramente que segredos de Estado são "informações protegidas." No entanto, as informações que você escreveu em SMS Oksana, ela tem olho nu. Se alguém pode vê-los, eles não são de modo algum atribuídos a segredos de Estado. Vamos trazer os documentos relevantes para provar o seu caso.

Advogado Dmitry Agranovskaya:

- De acordo com o artigo 275 do Código Penal foi complementada em 2012, e agora a traição não é apenas a questão dos segredos de Estado, mas apenas informações sobre os movimentos de tropas. Para ninguém ficou claro, por isso vou explicar. Quando a Grande Guerra Patriótica algum cidadão recolheu informação, legalmente, apenas assistindo a partir da janela de sua casa para o movimento de tropas, e relatou-los para os alemães, o que era? Ninguém tem dúvidas a esse respeito, eu acho. Mesmo que o homem e não emitir um segredo de Estado, ele danifica a capacidade de defesa do Estado. O artigo 275 foi complementado por tais disposições, pois é óbvio que quando um cidadão de a) coleta informações sobre o movimento de tropas e b) relatórios de um estado estrangeiro, é prejudicial à defesa do país.

Há muitas pessoas que estão interessadas em um exército ou ação militar. E essas informações podem ser coletadas, mas apenas para si, isso não é nada criminoso. Mas quando você transferi-los para um país estrangeiro, é óbvio agora que isso tem algo para impedi-lo. Depois de relatar o movimento das forças inimigas, você está ajudando-o a se preparar melhor. E nossas tropas podem sofrer perdas, não realizar qualquer tarefa que possa levar a vítimas civis. Ou seja, há um nexo causal entre as ações de uma pessoa que comete traição, e conseqüências socialmente perigosas. E as conseqüências podem ser muito sérias. Isso porque o artigo "Traição" e complementar as disposições de que, aliás, tem a maioria absoluta dos Estados - outras ações dirigidas contra a segurança da Rússia.

April Elena
Lina Panchenko

Na Rússia, com 7 anos velho SMS recebe-lhe 7 anos de prisão

RÚSSIA
2016/12/27

Uma vendedora da cidade russa de Sochi foi sentenciada a 7 anos por um SMS inocente enviado há sete anos. 

Esta história selvagem é a quintessência da Rússia moderna que reúne todos os seus aspectos típicos: anarquia, repressão, fanatismo e um flagrante absurdo dos serviços especiais russos.

No início de dezembro, a história indignamente esquecida de Oksana Sevastidi chamou a atenção dos meios de comunicação russos.
Em março de 2016, a simples vendedora de Sochi recebeu uma sentença de sete anos por traição por causa de um SMS inocente enviado há sete anos.
De acordo com a mãe de Oksana, sua filha foi considerada culpada por causa de uma resposta comum a uma pergunta de um conhecimento de passagem, dada em 2008, mesmo antes do início do conflito russo-georgiano.

"Oksana, existem tanques na plataforma onde você está?"
Perguntou a sua conhecida georgiana, Timur.
"Eles estavam lá antes, eu não sei sobre agora", ela respondeu, nem mesmo prestando atenção à pergunta, e logo esquecendo-se sobre isso.
Apenas sete anos depois, em janeiro de 2015, a FSB invadiu o local, acusando-a de ser um espião e colaborando com a inteligência da Geórgia.
Depois do veredicto de culpado do tribunal, a avó de Oksana, incapaz de lidar com a terrível notícia, morreu de um acidente vascular cerebral.

Na verdade, esta história selvagem é a quintessência da Rússia moderna que reúne todos os seus aspectos típicos: anarquia, repressão, fanatismo e um absurdo flagrante dos serviços especiais russos.

O caso de Oksana Sevastidi é ainda mais inacreditável do que a história de uma mãe solteira, Yekaterina Vologzheninova, que foi considerada culpada de compartilhar um post na mídia social, porque Katerina se opôs firmemente e condenou a guerra de agressão russa contra a Ucrânia.
Oksana é, de acordo com sua mãe, "muito respeitosa do nosso presidente, na verdade, ela é um membro do partido Rússia Unida".

Ao contrário da mãe de várias crianças Svetlana Davydova, que ficou assustada com as informações acidentalmente ouvidas sobre uma possível invasão da Ucrânia pelo novo contingente de tanques russos, Oksana Sevastidi nunca expressou medo ou indignação sobre os tanques, nem iniciou correspondência SMS; Além disso, ela não divulgou qualquer informação sobre eles, respondendo honestamente: "Eu não sei".
E agora uma vendedora de Sochi, membro da Rússia Unida, é oficialmente reconhecida pelo tribunal como um perigoso espião e traidor.

Parece que isso é tudo que você realmente precisa saber sobre a Rússia em geral e os serviços secretos russos em particular.

Em geral, o trabalho do serviço secreto russo nos últimos anos é, para dizer o mínimo, cada vez mais desconcertante.
Lembro-me quando na primavera me deparei com um artigo sobre o maior portal Ural "Ura.ru", que foi dedicado ao fato de que o acima mencionado Yekaterina Vologzheninova escreveu um novo post em sua página, desta vez - em apoio da Ucrânia piloto Nadiya Savchenko, que estava então em greve de fome em uma prisão russa.
"Em 5 de março, Yekaterina postou uma foto de Nadiya Savchenko com uma mensagem inscrita nela do piloto ucraniano 'Eu não vou quebrar e eu não vou me render ...'A mesma foto foi feita em uma foto de capa da página de Vologzhenina.Sob o post tem quatro comentários, gostos e anti-gostos, o post foi visto por 55 pessoas, com 4 comentários", relata o autor.
Contando os gostos e comentários sob um post inocente na página pertencente a uma dona de casa e bloqueando os pagamentos de apoio à criança que ela está recebendo para sua filha, sob o pretexto de impedir o "financiamento do terrorismo" - é isso que a "luta contra o terrorismo e extremismo "parece na Rússia de hoje.
Em linha com essa luta, Valeriya Rytvina, membro da ONF, associação de ONGs de estimação de Putin que presta serviço ao partido político no poder, escreveu uma denúncia pública aos amigos de Yekaterina que levantaram dinheiro para comprar um computador para a jovem filha da mulher condenada.
Ao mesmo tempo, oficialmente, a ONF pretende encarnar a sociedade civil russa e ser um posto avançado da luta contra a corrupção (a mesma que há muito tempo se tornou parte do Estado e sua espinha dorsal, começando pelo próprio presidente, que serve, entre outras coisas, como chefe da ONF).

Enfim, no momento em que me pareceu que nada pode superar a "contra-inteligência" e a "luta contra o extremismo" da Rússia no nível do absurdo e da farsa, apareceu um personagem que se tornou meu favorito absoluto neste gênero.
Este homem de sorte tornou-se famoso depois que ele foi preso na Rússia sob a acusação habitual de traição por seus próprios ex-colegas.
Este é o caso do ex-funcionário do Departamento de Relações Exteriores (DECR) da Igreja Ortodoxa Russa, Patriarcado de Moscovo, Yevgeny Petrin.
No verão, o espião falhado foi condenado pelo tribunal de cidade de Moscovo a 12 anos em uma colônia da máxima-segurança.

Ao mesmo tempo, em suas próprias palavras, Petrin é o capitão do FSB, que, após a demissão formal da agência, continuou a trabalhar sob a cobertura do DECR.
Petrin serviu em Kyiv, onde se misturou com os americanos, como afirma - para ganhar sua confiança.

Em suas inúmeras, cartas de Lefortovoo "Chekist ortodoxo" bombardeou seus antigos colegas no FSB com as acusações, censurando-os pelo fato de não terem "capturado estrangeiros" (americanos ou canadenses) no território de um estado soberano, a Ucrânia .
Aparentemente, não sendo capaz de distinguir entre os dois países (tal como tantos outros combatentes, soldados e espiões "perdidos"), Petrin se referiu teimosamente às suas actividades de espionagem como "contra-inteligência" e exortou outros agentes de segurança a realizar sequestros no território de outro estado.

Na mesma carta, o auto-declarado espião anunciou que está "pronto para ajudar a expor e neutralizar as ameaças à Ortodoxia na Ucrânia e identificar as intenções de pessoas e organizações já conhecidas por mim que estão impedindo os interesses da Igreja Ortodoxa Russa em Kyiv ", isto é, em texto simples ofereceu-se para novamente ir e espião em um país estrangeiro.
Ao mesmo tempo, a idéia de que, devido à natureza aberta de suas cartas, dezenas de milhares (no mínimo) ucranianos poderia ler sobre seu entusiasmo para espionar não incomodou Petrin.
A missão terminou em um fiasco.

Então, para provar sua inocência ao FSB, Petrin e sua família fizeram histórias em que ele foi pintado como um heróico "agente secreto" que ganhou a confiança dos estrangeiros e "como uma capa, foi consultá-los para pagar", fornecendo, para ele, a informação completamente inútil, na verdade fazendo o que normalmente cai sob a acusação de "fraude".

A família de Petrin também tentou o melhor possível e escreveu-lhe uma carta de recomendação após outra, descrevendo o amor profundo e fiel ao longo da vida de Yevgeny por Vladimir Putin.
Em uma entrevista com o irmão do suspeito, ele nomeou outro "mentor espiritual" do falhado chekist: "Uma vez eu escrevi para a Rainha da Inglaterra.
E outra vez - para Vladimir Zhirinovsky, e pediu-lhe a melhor forma de servir a minha pátria, e ele respondeu que eu deveria ir para a aplicação da lei ".

Com tudo isso, nada ajudou o fiel "servo de sua pátria" de acordo com o evangelho Zhirinovski, Yevgeny Petrin - não seu amor por Putin, nem citações das Escrituras e cartas escritas na antiga igreja estilo eslavo, por exemplo: Causa, que foi considerada como crime externo contra a Pátria devido às minhas ações de trabalho, não me arrependerei como não pequei ".
Sem entrar em sutilezas teológicas dos atos de Petrin, o tribunal julgou-o culpado e, além da prisão, multou-o na quantia de 200 mil rublos.
Em uma palavra, apenas a "contra-inteligência" russa é capaz de ofuscar a "inteligência" russa.

Depois disso, sempre que vejo outra história sobre "sabotadores ucranianos", pego em uma missão com um pacote completo de ID e cartões de visita Yarosh, não posso deixar de pensar que os serviços de segurança russos criar uma imagem de espiões estrangeiros e seu profissionalismo baseado em seu próprio espião Petrin

Depois desta história, apenas o esporte russo poderia superar a inteligência russa em meus olhos - ou seja, a lendária operação especial envolvendo a substituição das amostras de urina contaminada com as limpas através de um buraco na parede.

Em suma, a Rússia poderia ser um grande estado cômico, proporcionando alívio cômico para o resto do mundo, se não para uma advertência importante - nas mãos deste estado neste momento é uma força muito real, enfrentando tanto dentro como fora do país .
A absurda acusação de traição por SMS custou a uma mulher inocente sete anos de prisão e a morte de pelo menos uma pessoa - sua avó.
Centenas e milhares de pessoas que acreditavam que todos os tipos de "Petrins" corriam pela Ucrânia, acabaram por matar seus próprios cidadãos e apoiar os ocupantes.
Um país que foi inspirado pela vitória nos Jogos Olímpicos (mesmo se foi conseguido pela substituição da urina) lançou uma guerra agressiva contra o seu vizinho.
Em suma, palhaçadas cômicas da Rússia terminará em derramamento de sangue muito real.

Ao mesmo tempo, a pior coisa é que o populismo e a farsa estão se tornando populares não só na Rússia, mas também no exterior.
Não familiarizados com a experiência russa, os estrangeiros ainda não conseguem perceber como paródia aparentemente cómica pode destruir seriamente os fundamentos das democracias ocidentais.
Embora, eu admito, um monte de alcaparras divertido pode ocorrer durante este processo de destruição - mas que, acreditem, não torná-lo mais fácil.

Traduzido por: Inna Carboni
Editado por: Alya Shandra
Fonte: lb.ua